Funai delimita Terra Indígena Maró

A Funai publicou nesta segunda-feira, dia 10 de outubro, no Diário Oficial, despacho de seu presidente, Márcio Meira, aprovando as conclusões do Relatório Circunstanciado de Identificação e Delimitação da Terra Indígena Maró. Com isso, a Terra indígena (TI), que antes se encontrava em estudo, passa a ser considerada Delimitada, e poderá avançar para as próximas etapas do processe demarcatório.

 

A TI está localizada no curso do rio Maró, no município de Santarém, estado do Pará, região do baixo Tapajós. De acordo com o relatório, a TI Maró tem 42 mil hectares e é habitada por 239 pessoas, dos povos Borari e Arapium. Os indígenas reivindicavam a delimitação da terra desde 2000. Registros históricos indicam a presença de indígenas na área data ao menos desde o século XVII.

Os Borari e Arapium possuem alta dependência dos recursos ambientais, praticando, além do plantio de mandioca, coleta de frutos como o uxi, o açaí e a bacaba, caça de espécies como cotia e paca, pesca no Rio Maró em igarapés e lagos e extração de diversas ervas medicinais.

O mata da região tem também importância simbólica e religiosa para os indígenas, já que, para eles, lá residem seres espirituais, como o curupira e os encantados.

Dessa forma, as atividades produtivas e sociais dos indígenas dependem da integridade do meio ambiente em seu território, que no último período vinha sendo prejudicada pela presença crescente na região de empresas madeireiras e atividade agrícolas por parte de não índios. O processo demarcatório, portanto, é essencial para proteger o território e garantir a reprodução física e cultural desses povos.

Após a delimitação da TI pela Funai, os estudos realizados pela Funai serão avaliados pelo ministério da Justiça, a quem cabe declarar a área como de ocupação tradicional dos povos indígenas, próximo passo do processo de reconhecimento da Terra Indígena.

Destaques

class=A Terra Indígena Barra do Mundaú, pertencente ao povo Tremembé, em Itapipoca (CE), obteve a portaria declaratória expedida pelo Ministério da Justiça, em agosto de 2015, com 3.580 hectares. Desde 2002, a comunidade do povo...

class=Após a reintegração de posse do Museu do Índio, ocupado por um grupo de manifestantes, em Botafogo, no Rio de Janeiro, a Justiça Federal deferiu ordem judicial para manter efetivo policial no local, a fim de evitar nova...

class=Preocupados com as perdas culturais sofridas durante os 47 anos de contato com os não índígenas, os Paiter Suruí criaram o Museu Paiter A Soe (coisas de Paiter). O museu foi inaugurado no último dia 19/7, na aldeia Gapgir,...

 
 
 

acesso-informacao

banner 02

logo-ouvidoria

banner 04

banner 05