Comissão de Anistia concede indenização a indígenas Suruí do Pará

87-Caravana  Anistia-indios Surui-Foto Isaac Amorim-AG MJ  (1)No julgamento do primeiro caso de requerimento por indígenas de reparação de violações de direitos durante a ditadura militar, ocorrido na ultima sexta-feira (19), durante a 87ª Caravana da Anistia, no Salão Negro do Ministério da Justiça, em Brasília, a Comissão de Anistia concedeu a 14 indígenas Suruí do Pará (Aikewara) a condição de anistiado político.

 

 

Os índios também vão receber uma indenização de 120 salários mínimos (R$ 86,8 mil) para Waivera, Muruá, Tireme, Api, Massara, Warini, Marrari, Arikassu, Umassu, Taue, Egidio Tibacu, Awassai, Terriweri e Ikatu.

 

87-Caravana  Anistia-indios Surui-Foto Isaac Amorim-AG MJ  (2)O Povo Aikewara, também conhecido como Suruí, da Terra Indígena Sororó, no sudeste do Pará, foi vítima de maus tratos, violências, e torturas, com privação de água, comida e sono, durante a Guerrilha do Araguaia, no período da ditadura militar.

 

Segundo Ywynuhu Suruí, filho e neto de requerentes, "naquela época, meu Povo estava com pouco tempo de contato. O maior dano coletivo causado foi que eles ficaram em cárcere privado na aldeia. Eles não podiam sair, não podiam caçar, e o estoque de alimentos foi destruído. Dentro da aldeia, [os militares] montaram uma base, na qual o exército ficou de 1971 a 1973, e alguns indivíduos adultos foram requisitados [para trabalhos forçados]".

 

87-Caravana  Anistia-indios Surui-Foto Isaac Amorim-AG MJ  (3)Após ouvir a decisão histórica, a presidenta da Funai, Maria Augusta Assirati, comentou que "pela primeira vez, em 13 anos de existência da Comissão de Anistia, [o Estado] reconhece o processo de vitimização de uma comunidade indígena, de um povo indígena, em função de atos de exceção praticados pela Estado brasileiro no período da ditadura militar". Assirati enfatizou, ainda, que a reparação só estará completa, quando o Estado conseguir garantir ao Povo Aikewara a demarcação de suas terras de ocupação tradicional. O processo, segundo a presidenta, será enviado ao Ministério da Justiça até o início do mês de outubro, para avaliação quanto à emissão de Portaria Declaratória.

 

Para subsidiar o processo de reparação, os documentos disponíveis foram reunidos em um estudo chamado "O tempo da guerra: os Aikewara e a Guerrilha do Araguaia".

 

Galeria de Vídeos

 

Assista na íntegra ao julgamento do primeiro caso de requerimento coletivo por indígenas de reparação de violações de direitos durante a ditadura militar, ocorrido na ultima sexta-feira (19), durante a 87ª Caravana da Anistia, no Salão Negro do Ministério da Justiça, em Brasília.

 

Parte 1 de 2 aqui.

Parte 2 de 2 aqui.

 

Assista aqui as declarações da Presidenta da Funai, Maria Augusta Assirati e do presidente da Comissão de Anistia, Paulo Abrão, na ultima sexta-feira (19), durante a 87ª Caravana da Anistia, no Salão Negro do Ministério da Justiça, em Brasília.

 

Destaques

ansefA  Associação Nacional dos Servidores da Funai (ANSEF) publicou, no último dia 12, edital de convocação para Assembleia Geral de eleição para a escolha dos novos membros da Diretoria Executiva e Conselhos Deliberativo...

class=O Ministério do Meio Ambiente divulgou, hoje (20), os cinco projetos selecionados no âmbito da chamada pública para propostas de elaboração de Planos de Gestão Territorial e Ambiental (PGTAs) em Terras Indígenas no...

class=A Funai publicou, no Diário Oficial da União de 17/05/2016, a Instrução Normativa (IN) nº 1, de 13 de maio de 2016, que estabelece normas e diretrizes para a atuação da Funai visando à promoção e proteção dos direitos...

 
 
 

acesso-informacao

banner 02

logo-ouvidoria

banner 04

banner 05