Publicada portaria que institui Selo Indígenas do Brasil

castanha

Os agricultores familiares indígenas terão, a partir de 2015, um mecanismo para identificar a origem de sua produção. Foi publicada, nesta sexta-feira, 5, no Diário Oficial da União, a Portaria Interministerial nº 2, de 3 de dezembro de 2014, que institui o Selo Indígenas do Brasil.

A iniciativa do Ministério do Desenvolvimento Agrário-MDA em parceria com o Ministério da Justiça, por meio da Funai, atende a uma demanda dos povos indígenas e está de acordo com o objetivo da Política Nacional de Gestão Territorial e Ambiental em Terras Indígenas-PNGATI de promover a regulamentação da certificação dos produtos provenientes dos povos e comunidades indígenas, com identificação da procedência étnica e territorial.

 

O sinal distintivo, que também se aplica à produção extrativista e de artesanato, pretende contribuir para dar visibilidade à produção indígena comercializada. De acordo com o diretor de Promoção ao Desenvolvimento Sustentável da Funai, Júlio César Gomes Pinho, "a valorização do produtor, por meio da identificação, é um dos resultados esperados. Com o Selo, a etnia e a terra indígena desse produtor se tornará conhecida do consumidor, contribuindo para uma imagem positiva dos agricultores familiares indígenas".

 

seloagriculturaAgricultura Familiar - O Selo Indígenas do Brasil está diretamente vinculado ao Selo de Identificação da Participação da Agricultura Familiar – Sipaf, do MDA, assim como o Selo Quilombos do Brasil. Para obter a concessão de uso, é preciso ter a Declaração de Aptidão ao Pronaf – DAP e preencher os requisitos estabelecidos pela Portaria nº 7, de 13 de janeiro de 2012/MDA, que institui o Sipaf. Além disso, o solicitante deverá apresentar documento declaratório emitido pela Fundação Nacional do Índio – Funai, conforme modelo da portaria, ficando autorizado a utilizar os dois selos caso seja aprovado.

 

seloescolhido"Na prática, é a comunidade que autoriza a utilização do Selo, pois, para requerer o documento na Funai, o interessado deverá apresentar ata de reunião com a anuência da comunidade e as informações necessárias à identificação", explica o diretor. A ata deverá conter a lista dos produtos a serem identificados, a relação de produtores requerentes, o nome da terra indígena, o nome da aldeia e uma declaração de que os processos de produção respeitam as legislações ambiental e indigenista vigentes.

 

A Funai e o MDA têm 90 dias, a partir da publicação da portaria, para implantar o Selo, divulgando os procedimentos para solicitação pelos produtores indígenas.


Destaques

class=Professores indígenas, crianças e anciões da Terra Indígena Kwatá Laranjal participaram da 3ª Oficina do Projeto Ya'õ Etabeg de revitalização da língua Munduruku. O principal objetivo da iniciativa é expandir o ensino...

class=Os Karajá das aldeias Fontoura e Santa Isabel do Morro deram o primeiro passo para a implantação do manejo participativo de pirarucus na Ilha do Bananal (TO). Entre os dias 1º e 7 de agosto, foram realizados cursos voltados...

class=Em apenas 20 dias como presidente da Funai, Marcelo Xavier já recebeu na sede do órgão, em Brasília, mais de 200 indígenas de várias etnias do país. Entre as principais demandas, as lideranças reivindicaram qualidade do...

 
 
 

acesso-informacao

banner 02

logo-ouvidoria

banner 04

banner 05