"Cinema nas Aldeias Xavante" leva filmes, lazer e reflexão para a Terra Indígena Parabubure (MT)

Cinema Xavante-3A terceira etapa do "Cinema nas Aldeias Xavante: Ver, Ouvir e Debater" passou pelas aldeias do povo Xavante de Santa Clara, São Felipe e Bom Jesus da Lapa, na Terra Indígena (TI) Parabubure, em Campinápolis, Mato Grosso.

 

Um grande pano branco fez a vez de telão armado no centro da aldeia, usando como suporte os pilares da varanda da escola ou até mesmo as traves do campo de futebol da aldeia. A comunidade já estava acomodada ao escurecer em carteiras escolares, esteiras no chão e bancos de madeira, quando começavam as sessões. A lua estava crescente, mas, naquelas aldeias, ela brilhava já com muita intensidade iluminando as casas de palha em semicírculo.

 

Na aldeia Santa Clara, os jovens professores da escola indígena organizaram as atividades, coordenando a preparação do lanche, escolhendo a sequência dos filmes a serem exibidos e convidando a comunidade. Foram exibidos os filmes "PiõHöimanazé – A mulher Xavante em sua arte" de Cristina Flória, "Índio Cidadão" de Rodrigo Siqueira, "Vale dos Esquecidos" de Maria Raduan e "ÖdzéNhimiWamnari" de Aquilino Tsi'rui'a. Na manhã seguinte, as crianças fizeram desenhos coletivos sobre os filmes exibidos e depois apresentaram para todos em atividade junto à escola. Nas cartolinas, foram retratados muitos desenhos do cacique Damião. Essa importante liderança Xavante de Marãiwatsédé aparece no filme "Vale dos Esquecidos" e sua presença ficou na memória das crianças.

 

Na noite seguinte, foi a vez da aldeia São Felipe. Essa exibição contou com mais de cem pessoas. A aldeia gostou muito do filme "PiõHöimanazé", no qual as mulheres Xavante da aldeia Etehiritipá, da TI Pimentel Barbosa, contam como é sua vida, seu trabalho e seus costumes. O professor Norberto Tseredawa comentou: "Esse filme é muito bom! Não sei se na nossa aldeia as mulheres falariam assim, elas têm muita vergonha".

 

A última aldeia por onde passou o cinema itinerante foi Bom Jesus da Lapa. Foram exibidos os filmes "ÖdzéNhimiWamnari", "PiõHöimanazé – A mulher Xavante em sua arte", "Uma Casa Uma Vida" de Raiz das Imagens e "A Grande Caçada" de Adalbert Heidi, todos sobre o povo Xavante. Mesmo com a idade avançada, o cacique Cipriano era um dos mais animados e pediu a palavra após as exibições, refletindo sobre o que os caciques falavam nos filmes e sobre as mudanças culturais que vêm ocorrendo na sua aldeia. Já era tarde e as pessoas voltavam para suas casas.Cinema Xavante-1

 

Ao final da fala do cacique, um jovem pediu: "estamos em poucas pessoas aqui, mas a gente quer ver mais filme, queremos ver o filme do Congresso Nacional". Ele se referia ao filme "Índio Cidadão" que aborda a mobilização indígena desde a Constituinte até a ocupação do Congresso em 2013. A exibição prosseguiu e algumas pessoas voltaram para continuar assistindo. Na manhã seguinte, a aldeia se reuniu com a equipe da Funai na escola, onde aconteceram atividades com as crianças e discussão com os adultos.

 

Esta terceira etapa aconteceu de 22 a 25 de setembro e contou com o apoio dos servidores da Funai Maíra Ribeiro e Hélio Sereparan para sua realização.

 

Em agosto, o Cinema nas Aldeias Xavante passou pelas aldeias Etepore, Campinas e Dzepá. Na aldeia Etepore, a atividade aconteceu junto com a Feira da Cultura da escola da aldeia. Essa etapa foi desenvolvida pelos servidores Mirian Tserebodowapré, Hélio Sereparan, da CTL Campinápolis e Indiana Petsirei'õ, da CTL Nova Xavantina, e contou com o apoio de Josué Rodrigues Nogueira Júnior, diretor da Escola Estadual Indígena David Aireró da Aldeia Etepore.

 

Desde julho deste ano, o projeto faz incursões mensais de exibição ao ar livre de documentários produzidos sobre ou com o povo Xavante nas aldeias da TI Parabubure. O projeto se estenderá até outubro visitando doze aldeias no total. É uma forma de divulgar as produções audiovisuais dentro das aldeias que, apesar de serem as mais interessadas, muitas vezes não tem acesso a elas. Através da exibição dos filmes, a comunidade tem a oportunidade de refletir e discutir sobre o passado, o presente e o futuro de seu povo. O projeto cultural tem apoio do Programa de Promoção do Patrimônio Cultural dos Povos Indígenas do Museu do Índio e é desenvolvido pelas Coordenações Técnicas Locais de Campinápolis e Xavantina da Funai.

 

Destaques

class=A Câmara de Populações Indígenas e Comunidades Tradicionais do Ministério Público Federal (6CCR) lança o Manual de Jurisprudência dos Direitos Indígenas. A publicação traz 26 temas de direitos indígenas discutidos a partir de casos concretos, com a compilação das principais decisões de tribunais nacionais e internacionais em cada temática analisada. A obra tem como objetivo subsidiar a atuação de membros do Ministério Público Federal na defesa de direitos dos povos originários, órgãos governamentais e organizações não-governamentais, além de estudantes e pesquisadores.

class=O Conselho Nacional de Assistência Social (CNAS) instituiu grupo de trabalho para discussão de assuntos voltados ao acompanhamento e avaliação da gestão dos recursos, impactos sociais e desempenho das ações da Rede de...

class=Histórias do céu contadas por Zahy e Tatá – ou na versão tupi Ywak Rehe Ma'e Imune'u Haw Zahy-Tatá Wanemimume'e Kwer –, foi recentemente traduzido pelo professor de língua indígena Antônio Gomes Guajajara. A obra foi...

 
 
 

acesso-informacao

banner 02

logo-ouvidoria

banner 04

banner 05