Terra Indígena Araribóia (MA) recebe ações preventivas, educativas e de apoio, após incêndio

arariboia-capaCom o incêndio controlado, a Terra Indígena Araribóia (MA) recebe acompanhamento pela Funai por meio de um plano de apoio às comunidades indígenas. As ações, que já tiveram início, incluem a distribuição de cestas de alimentos para as famílias que perderam cultivos, o fomento para retomada de lavouras, o apoio à reconstrução de casas queimadas e a recuperação ambiental da terra indígena.

 

Ainda, será mantido o apoio da Funai ao Projeto Guardiões do Território Araribóia, formado por indígenas que realizam ações preventivas de proteção, conscientização da comunidade e monitoramento da área. Além disso, serão intensificadas as ações de fiscalização pelo órgão indigenista com o objetivo de reduzir a invasão de madeireiros.

 

O fogo na Terra indígena Araribóia (MA), que chegou a atingir 220 mil hectares da área, foi controlado por brigadistas do Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais do Ibama (Prevfogo), no fim da última semana. Segundo informações do órgão, 90% dos focos foram extintos e 10% estão cercados e sob controle. Cerca de 300 pessoas participaram da Operação Awá, de combate ao fogo, entre elas 60 indígenas de três etnias.

 

"A brigada indígena foi fundamental por já estar na área desde o início do incêndio e por conhecer bem a região, fato que facilita a definição das estratégias de combate", destacou Tatiana Vilaça, coordenadora geral de Monitoramento Territorial da Funai.

 

A Funai esteve presente na ação de combate ao fogo fornecendo apoio logístico aos brigadistas, pagamento de diárias a servidores do Ibama, articulação com outros órgãos de governo e disponibilização de recurso para locação de aeronave. Apenas para esta última ação, foram enviados recursos na ordem de R$ 461 mil. Além disso, a Funai manteve um constante diálogo com os indígenas, acerca das ações desenvolvidas, e disponibilizou maior de efetivo de servidores para atuarem na TI Araribóia.

 

O órgão indigenista deverá permanecer na região realizando atividades educativas e preventivas, com o apoio do Corpo de Bombeiros do Estado do Maranhão, das Brigadas Indígenas do PrevFogo e a participação dos Projeto Guardiões. Dessa forma, foram mantidas equipes de brigadistas locais nas aldeias Lagoa Comprida e Jenipapo; e 26 bombeiros e guardiões na aldeia Zutiwa. Ainda, uma ação será realizada a fim de elaborar o diagnóstico sobre as perdas provocadas pelo incêndio. O início está previsto para 20 de novembro.

 

Cerca de 12 mil indígenas da etnia Guajajara e 80 Awá-Guajá vivem na TI Araribóia, que tem 413 mil hectares.

 

A Operação Awá tem atuação do Prevfogo/Ibama, ICMBio, Exército, Sesai, Corpo de Bombeiros e Secretaria de Segurança Pública do Maranhão.

 

Texto: Clarissa Tavares/ASCOM

Destaques

class=O presidente da Fundação Nacional do Índio (Funai), Marcelo Xavier, recebeu nesta quarta-feira (23), em Brasília, uma comitiva de lideranças indígenas das etnias Paresi, Nambikwara e Manoki, de Mato Grosso, e Macuxi, de...

class=O Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF5) decidiu favoravelmente à apelação da Fundação Nacional do Índio (Funai) em processo judicial no Rio Grande do Norte (RN), julgando improcedente medida formulada pelo...

class=Na 14ª Primavera de Museus, entre 21 e 27 de setembro, o Museu do Índio/Fundação Nacional do Índio (Funai) traz ao público relatos de parceiros indígenas no período de pandemia. O intuito é mostrar como os artistas e...

 
 
 

acesso-informacao

banner 02

logo-ouvidoria

banner 04

banner 05