Presidente da Funai recebe Relatora Especial da ONU

visitaonuNa tarde de ontem (07), a Relatora Especial das Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas, Victoria Tauli-Corpuz, reuniu-se com o Presidente, a Diretoria e a Procuradoria Especializada da Funai, para tratar dos principais desafios que envolvem a questão indígena no país.

 

Na ocasião, o presidente João Pedro da Costa solicitou apoio para combater a pressão que os povos indígenas têm sofrido por setores conservadores da sociedade que objetivam desconstruir seus direitos: "Os povos indígenas continuam vigilantes, porque o Congresso Nacional quer provocar um retrocesso histórico. Quero reforçar a importância da sua vinda aqui. Para que possamos mostrar para fora do Brasil esse momento que os povos indígenas estão enfrentando por causa dessa pressão dentro do Congresso Nacional".

 

No mesmo sentido, o presidente destacou, ainda, as dificuldades enfrentadas pelos povos indígenas no que se refere ao reconhecimento do direito à plena ocupação de seus territórios tradicionais, tendo em vista que o Poder Judiciário tem fixado entendimento limitador a esse direito. "O Poder Judiciário também tem tomado decisões contrárias aos povos indígenas; muitos trabalhos da Funai hoje estão paralisados por conta da nossa Justiça. A Funai continua sendo extremamente relevante para o Estado brasileiro, importante para os povos indígenas, mas precisamos de apoio. A instituição precisa ser fortalecida", afirmou.

 

A Relatora demonstrou preocupação com as situações apontadas, e declarou seu apoio ao fortalecimento do papel da autarquia e à manutenção do atual fluxo do procedimento de demarcação de terras indígenas. "Eu acredito que o papel da Funai é realmente o de fornecer a argumentação de que os povos indígenas podem ajudar a resolver grande parte dos problemas que temos no mundo hoje. Nos países onde os direitos dos povos indígenas estão sendo destruídos, há muito desmatamento e muita violência. Quero discutir com vocês como fortalecer a Funai e quais os desafios mais graves que a instituição enfrenta", declarou.

 

Direito à consulta, PEC 215 e CPI da Funai

 

Tauli-Corpuz também mencionou a necessidade de a instituição indigenista trabalhar pelo fortalecimento do direito à consulta prévia, livre e informada relativa a quaisquer projetos de lei, ações estatais e construção de obras e empreendimentos que afetem povos e terras indígenas. Nesse sentido, o presidente da Funai esclareceu que, muito embora o Estado brasileiro reconheça esse direito, presente em normativa internacional da qual o Brasil é signatário (Convenção 169 da OIT), a rapidez com que os processos de licenciamento de empreendimentos considerados estratégicos avança tem dificultado, em grande medida, o pleno respeito a esse direito.

 

A Proposta de Emenda Constitucional 215 também tem por objetivo a supressão de diversos direitos dos povos indígenas, o que, na prática, constitui-se como uma paralisação indeterminada de todo e qualquer procedimento de reconhecimento da ocupação indígena no território nacional e, ainda, na abertura de amplas possibilidades para que esses territórios possam ser invadidos e explorados por não indígenas.

 

A CPI da Funai e do Incra, que tem por objetivo investigar os procedimentos adotados pelas duas instituições na regularização fundiária de territórios indígenas e quilombolas, também foi mencionada como parte de uma ofensiva desigual, violenta e inconstitucional sobre os direitos indígenas. Sem fato determinado que justifique sua instalação, constitui-se como mais uma estratégia empreendida por parlamentares contrários a esses direitos, e que buscam avançar sobre os territórios indígenas motivados pelas intensões econômicas dos grupos que representam.

 

Sobre as medidas, o presidente da Funai novamente ressaltou posicionamento institucional contrário à PEC e à CPI, destacando, ainda, a força do movimento indígena que tem, desde o início do ano passado, resistido em constante vigília em defesa de seus direitos constitucionais: "A Funai e o governo brasileiro são contra a PEC 215. O movimento indígena tem tido muito mérito nessa questão, e já tem no Senado uma manifestação escrita de maioria. Estamos vigilantes e acompanhando esse processo, e queremos acreditar que os senadores vão cumprir com esse acordo. Hoje já há manifestação de procuradores, juristas e do MPF que caracterizam a PEC como inconstitucional. A CPI também nos preocupa muito, e é uma estratégia política desses parlamentares que são contrários aos povos indígenas".

 

Povos Isolados e Impactos de empreendimentos a terras e povos indígenas

 

O Diretor de Proteção Territorial da Funai, Walter Coutinho, apresentou à Relatora a política de proteção dos povos isolados e de recente contato da Funai, destacando a metodologia de respeito à autodeterminação desses povos a se manter na condição de isolamento voluntário.

 

Atualmente, há 110 registros de isolados no Brasil. O Diretor destacou que a Funai realiza a demarcação das Terras Indígenas e, no que diz respeito a registros que se localizam fora de territórios já regularizados, atua dentro da sistemática de restrição de uso, o que assegura a essas populações os direitos territoriais enquanto são coletadas as informações suficientes para dar seguimento ao procedimento de identificação e delimitação de terras indígenas preconizado pela Constituição Federal de 1988.

 

Vários desses povos compartilham territórios com povos indígenas já contatados, o que estabelece, ainda, no escopo das atribuições da autarquia, as questões relativas ao relacionamento entre esses povos e, também, tratativas visando ao estabelecimento de acordos internacionais para a proteção de povos isolados em regiões de fronteira.

 

A Funai possui hoje 12 Frentes de Proteção Etnoambientais, unidades descentralizadas especializadas na proteção dos povos indígenas isolados e de recente contato, que possuem por obrigação garantir a essas populações o pleno exercício de sua liberdade e das suas atividades tradicionais sem a necessária obrigatoriedade de contatá-los. Nesse sentido, cabe ainda ao Órgão Indigenista Oficial disciplinar o ingresso e o trânsito de terceiros em áreas em que se constate a presença de índios isolados, bem como tomar as providências necessárias à proteção desses grupos, por meio da restrição de ingresso de terceiros nessas áreas.

Destaques

class=

Preconceitos e estereótipos contra povos indígenas podem ser vencidos desde cedo e a escola tem relevante papel nessa contribuição à sociedade. Em Altamira, a partir da parceria entre a Coordenação Regional (CR)...

equipe

Terminou na última sexta-feira (19), na aldeia Cartucho, município de Santa Isabel do Rio Negro (AM), divisa com a Colômbia e a Venezuela, mais uma etapa do Programa Sesai em Ação: Saúde Indígena Brasil Adentro!, que tem como objetivo apoiar a oferta de ações complementares à atenção básica e especializada de saúde em áreas de difícil acesso geográfico em benefício da população indígena, evitando, assim, o deslocamento de famílias para tratamento em centros urbanos. Este ano, o projeto, em parceria com a Funai, atendeu as 23 etnias indígenas que abrangem a jurisdição da Coordenação Regional do Rio Negro, incluindo os Yanomami.

class=A Funai prorrogou a data de entrega das propostas da Chamada Pública nº 001/2019 para o dia 26 de abril. Serão beneficiadas aldeias indígenas próximas aos municípios de Marabá e Itaituba (PA), Tabatinga (AM), Palmas (TO) e Imperatriz (MA). Os recursos para a instituição que será selecionada somam o total de R$ 500 mil.

 

 
 
 

acesso-informacao

banner 02

logo-ouvidoria

banner 04

banner 05