Presidente da Funai assina relatório de identificação da Terra Indígena Dourados Amambaipeguá I (MS)

guaraniA aprovação do Relatório Circunstanciado de Identificação e Delimitação da Terra Indígena Dourados Amambaipeguá I pelo presidente João Pedro aconteceu na manhã de hoje (12), na sede da Funai, em Brasília-DF. A assinatura contou com a participação de um grupo de lideranças Guarani Kaiowá, que se deslocou até Brasília para solicitar a aprovação dos estudos.

 

"Esse ato representa o compromisso da Funai e uma resposta à pressão antiindígena daqueles que são contra o reconhecimento da tradicionalidade das terras do povo Guarani Kaiowá", disse o presidente.

 

A TI Dourados Amambaipeguá I está localizada nos municípios de Caarapó, Laguna Carapã e Amambai, estado do Mato Grosso do Sul. Possui 55.590 hectares e é tradicionalmente ocupada pelo povo Guarani Kaiowá. O procedimento de identificação e delimitação da terra foi realizado no âmbito do Compromisso de Ajustamento de Conduta (CAC), firmado em 12 de novembro de 2007, entre a Funai e o Ministério Público Federal.

 

A terra abriga quatro comunidades (tekoha) denominadas Javorai Kue, Pindo Roky, Km 20/ Urukuty e Laguna Joha, com população aproximada de 5.800 pessoas. Devido ao processo de expropriação dos territórios indígenas, que ali teve início em 1882 com o início da atividade de produção de erva mate e a chegada de colonos gaúchos após a Guerra do Paraguai (1864 a 1870), os Guarani Kaiowá passaram a viver dispersos pela região.

 

No entanto, eles nunca abandonaram seus vínculos históricos e sempre mantiveram forte relação com sua terra tradicional, que, como identificou o estudo, "foi de fundamental importância para a sobrevivência dessa população".

 

"Viemos aqui em busca de nosso direito constitucionalmente garantido, para lutar por nossos territórios tradicionais. Saudamos aqui a coragem do presidente da Funai que teve coração, sentimento e alma pelos Guarani Kaiowá. Em nome dos Guarani Kaiowá do Mato Grosso do Sul, digo que a gente enquanto povo e enquanto viver, vamos lutar. Nossa luta não para por aqui", declarou Elson Kaiowá .

 

Texto: Clarissa Tavares/ Ascom.

Destaques

class=Professores indígenas, crianças e anciões da Terra Indígena Kwatá Laranjal participaram da 3ª Oficina do Projeto Ya'õ Etabeg de revitalização da língua Munduruku. O principal objetivo da iniciativa é expandir o ensino...

class=Os Karajá das aldeias Fontoura e Santa Isabel do Morro deram o primeiro passo para a implantação do manejo participativo de pirarucus na Ilha do Bananal (TO). Entre os dias 1º e 7 de agosto, foram realizados cursos voltados...

class=Em apenas 20 dias como presidente da Funai, Marcelo Xavier já recebeu na sede do órgão, em Brasília, mais de 200 indígenas de várias etnias do país. Entre as principais demandas, as lideranças reivindicaram qualidade do...

 
 
 

acesso-informacao

banner 02

logo-ouvidoria

banner 04

banner 05