Presidente da Funai leva Ministro da Justiça para conhecer Centro de Referência ao Imigrante de Boa Vista

boavistaNa tarde dessa sexta-feira (8), o presidente da Funai, Franklimberg de Freitas, e o ministro da Justiça, Torquato Jardim, visitaram o Centro de Referência ao Imigrante de Boa Vista, em Roraima. O local abriga cerca de 320 imigrantes indígenas e não-indígenas venezuelanos.

 

Durante a visita, Jardim destacou que a comitiva foi à região em nome do Governo Federal para deixar claro que há preocupação e urgência em resolver o problema do aumento exponencial no fluxo migratório e da dificuldade em oferecer assistência a todos que recorrem aos serviços públicos estaduais e municipais.

"Vamos encontrar a melhor solução possível. Estamos buscando a ajuda da Organização das Nações Unidas (ONU), mas o governo venezuelano se recusa a deixar que ela entre para garantir os direitos de vocês", disse o ministro aos indígenas venezuelanos da etnia Warao e aos não-indígenas.

O ministro destacou que o Governo Federal está trabalhando em conjunto com as autoridades locais. Segundo ele, na próxima semana, uma comitiva do Ministério do Desenvolvimento Social (MDS) chegará à Boa Vista para levar R$ 480 mil em recursos, com o objetivo de melhorar as instalações no Ginásio de Pintolândia – local onde funciona o Centro de Referência ao Imigrante.

Será montado um redário na parte interna do ginásio, destinado aos Warao, e no lado externo serão montadas barracas fornecidas pelo exército brasileiro. A medida deverá proporcionar mais privacidade e delimitará os espaços de cada um.

Mais cedo, durante encontro com a prefeita da cidade, Teresa Surita, Torquato Jardim e Franklimberg de Freitas ouviram detalhes sobre o plano emergencial criado pelo município com o intuito de arrefecer a crise provocada pelo aumento repentino de imigrantes.

"A atitude de não recusar tratamento humanitário é muito nobre. Devíamos uma satisfação mínima a vocês, por isso estou aqui. Uma coisa é eu propor ao presidente da República uma opção indo ao local. Outra é fazer uma sugestão sem conhecer", relatou o ministro, que levará o assunto ao presidente Michel Temer assim que retornar à Brasília.

No encontro com a governadora Suely Campos, a pauta da reunião tratou da necessidade de se garantir autossustentabilidade aos indígenas locais e imigrantes. Ela destacou o primoroso trabalho do artesanato indígena Warao e da organização da população indígena da comunidade do Bananal. "Eles têm o tino do turismo e estão gerando renda com isso", explicou.

O presidente da Funai ressaltou que a instituição possui uma coordenação específica para geração de renda. "Já liberamos uma nota técnica para difundir o turismo em terras indígenas para incentivar a geração de renda", explicou.

Cerca de 70% do estado de Roraima inclui áreas de proteção ambiental e terras indígenas. Só na capital Boa Vista vivem 16 comunidades indígenas. Os compromissos da comitiva continuam neste sábado (8). O roteiro inclui visitas à Terra Indígena Raposa Serra do Sol, que fica no nordeste de Roraima, à tribo Warao, e ao Centro de Acolhimento para Imigrantes, localizado no Bairro do Coroado, em Manaus. 


Ascom Funai/Ministério da Justiça

 


Destaques

class=Ontem (24), a Funai participou de audiência na Câmara dos Deputados sobre a erradicação do sub-registro de nascimento. O debate promovido pela Comissão de Direitos Humanos e Minorias também contou com a participação de representantes da Defensoria Pública, do Ministério dos Direitos Humanos e da Cáritas Brasileira.

 

class=O Centro de Monitoramento Remoto (CMR) acaba de ter sua continuidade garantida após meses de negociação junto à execução do Plano de Proteção Territorial do Médio Xingu (PPTMX).

 

class=Na última quinta-feira(17), a Funai em Cacoal-RO promoveu a primeira edição do Dia Especial para Cafeicultura Indígena junto ao povo Paiter Surui, na Terra Indígena Sete de Setembro.

 

 
 
 

acesso-informacao

banner 02

logo-ouvidoria

banner 04

banner 05