Indígenas de recente contato do rio Xinane visitam a cidade de Feijó/AC pela primeira vez

2017xinaneNo dia 12 de agosto cinco indígenas de recente contato do igarapé Xinane, do alto rio Envira, chegaram à Feijó/AC, um marco histórico para esse povo, é a primeira vez que visitaram uma cidade. A chegada a Feijó foi a etapa final de uma longa viagem que empreenderam por conta própria ao longo do curso do rio Envira, desde o alto curso, onde se localizam seus roçados e a Base de Proteção Etnoambiental Xinane da Funai.

 

Os indígenas se deslocaram em canoas próprias, com uso de remos e varas. A distância percorrida até Feijó foi de 519 km, e a viagem durou pouco mais de uma semana. A Frente de Proteção Etnoambiental (FPE) Envira monitorou o percurso do grupo e enviou uma equipe à cidade para organizar sua chegada.

 

A FPE fez todo um trabalho prévio de conscientização, de esclarecimentos sobre os riscos da cidade, sobretudo os epidemiológicos, no entanto o grupo manteve sua decisão e está em Feijó/AC, fazendo visitas guiadas da equipe. A equipe da Funai contou com interpretes da língua Pano, tronco linguístico falado por esses indígenas de recente contato. O grupo é formado por cinco jovens: Purus, Chirimaku, Hamistar, Hainuno e Kada, que têm entre 15 e 20 anos de idade. De acordo com os servidores da FPE, gerir e dar retorno a essa crescente curiosidade é, sem dúvida, um dos maiores desafios atuais da equipe da Funai da região.

 

Segundo membros da equipe que os acompanhou na cidade, houve muita curiosidade dos indígenas com as construções, com os carros e motores. Eles estão hospedados na casa de um colaborador da Funai, de confiança, e que, por ser mais afastada do centro, pode resguardar os indígenas de possíveis doenças infectocontagiosas sobre as quais eles não teriam imunização natural. Ainda assim, eles foram atendidos por equipe médica preventiva quando chegaram à cidade. O grupo segue em Feijó até quarta-feira, quando uma embarcação da Funai deve levá-los de volta. Eles pediram para conhecer outras aldeias no entorno da cidade e neste período haverá um intercâmbio com outros indígenas para suavizar o impacto desta experiência inédita para eles.

 

povodoXinaneO contato oficial com o povo indígena do Xinane ocorreu em junho de 2014, na aldeia Ashaninka de nome "Simpatia", localizada no alto rio Envira. O contato ocorreu por iniciativa própria dos índios do Xinane. Atualmente são 35 pessoas divididas em diferentes Kupixhawas (casas em que moram apenas uma família) localizados no alto rio Envira. Os indígenas de recente contato habitam a Terra Indígena Kampa e Isolados do Rio Envira que ocupa uma área de 232 mil hectares, situada no município de Feijó/AC, e está regularizada pela Funai, reduzindo assim o risco de conflitos territoriais.

 

O povo indígena do Xinane, por sua condição de contato recente, possui reduzido conhecimento dos códigos e valores, ou incorporação dos usos e costumes da sociedade envolvente, embora mantenha significativa autonomia sociocultural e econômica. O trabalho de informação, realizado pela Funai, trará resultados a longo prazo e acompanha ritmo, interesse e demandas dos próprios índios. O fato de eles terem tomado a iniciativa própria de conhecer a cidade, já revela um passo adiante na qualificação de diálogos com eles. Essa visita guiada pela equipe poderá, também, contribuir rumo à garantia de um maior grau de autonomia do povo indígena do Xinane.

 

Colaboração: Coordenação-Geral de Povos Isolados e Recém Contatados (CGIIRC /Funai)

Destaques

class=

Na última quarta-feira (11), o Presidente da Funai, Marcelo Xavier, junto com seu corpo técnico e representantes da Casa Civil, dos Ministério de Minas e Energia e Ministério da Justiça, realizou uma visita à Terra...

class=Finaliza hoje (13) uma grande operação conjunta para desmobilização de garimpo ilegal próximo a índios isolados na Terra Indígena (TI) Vale do Javari, no extremo oeste do estado do Amazonas, zona fronteiriça com o Peru.

class=Agricultores do povo Xavante tiveram a oportunidade de participar do Curso de Implantação, Planejamento e Manejo Agroecológico de Sistemas Agroflorestais, em Mato Grosso, no final de agosto. O curso oferecido pelo Núcleo de Estudo em Agroecologia do Vale do Araguaia, do campus de Barra do Garças do Instituto Federal de Mato Grosso (NEA-VA/IFMT), com assessoria pedagógica do Instituto Flor de Ibez, priorizou atividades práticas para trazer os conceitos, princípios e técnicas ligados aos sistemas agroflorestais inspirados na sucessão natural.

 
 
 

acesso-informacao

banner 02

logo-ouvidoria

banner 04

banner 05