DGM Brasil realiza seminário sobre REDD+ e os povos indígenas e comunidades tradicionais

SeminarioDGMBrasilComeça hoje, em Brasília, o seminário realizado pelo DGM Brasil com objetivo principal de incluir povos indígenas, quilombolas e comunidades tradicionais no debate sobre a estratégia nacional de Redução das Emissões Provenientes do Desmatamento e da Degradação Florestal, Conservação dos Estoques de Carbono Florestal, Manejo Sustentável de Florestas e Aumento de Estoques de Carbono Florestal (REED+). O seminário vai até domingo (20).

 

Segundo Cláudia Calório, consultora especializada em gestão socioambiental e gestão de projetos do DGM Brasil (Mecanismo de Apoio Dedicado a Povos Indígenas, Quilombolas e Comunidades Tradicionais do Cerrado Brasileiro), "esses grupos ainda detêm grande parte de seus territórios tradicionais, mantendo e protegendo a vegetação nativa através do uso sustentável dos seus territórios, assim, para que esses territórios continuem não desmatados e recuperando suas áreas degradadas, são necessárias políticas de apoio a essas comunidades".

 

A atividade contará com a participação de lideranças dos subprojetos selecionados no primeiro edital do DGM Brasil. Também terá a contribuição de representantes dos Ministérios do Meio Ambiente (MMA) e das Relações Exteriores (MRE), Instituto Socioambiental (ISA), Conservação Internacional (CI), Fundo Amazônia, entre outros órgãos e entidades.

 

As mesas redondas, palestras e debates terão como foco a definição de REDD+, as políticas públicas governamentais e não governamentais de promoção de REDD+ no Brasil e no mundo, experiências de REDD+ apoiadas pelo Fundo Amazônia, riscos e oportunidades do Mercado de Carbono Voluntário, cálculo do REDD+ do Cerrado, formas de acesso aos recursos de REDD+ e desafios e oportunidades de REDD+ para povos indígenas, quilombolas e comunidades tradicionais.

 

 

DGM Brasil

 

O DGM Brasil é uma linha de apoio destinada a povos indígenas, quilombolas e comunidades tradicionais do Cerrado brasileiro e coordenada por um Comitê Gestor formado por representações Indígenas (6), Quilombolas (2), de Comunidades Tradicionais (4) e do Governo Federal (2) – Ministério do Meio Ambiente (MMA) e Fundação Nacional do Índio (Funai).

 

O mecanismo teve início em oito países-piloto da África, Ásia, América do Sul e América Central e atualmente apoia 14 países (Brasil, Burkina Faso, Costa do Marfim, República Democrática do Congo, Equador, Gana, Guatemala, Indonésia, Laos, México, Moçambique, Nepal, Peru e República do Congo), visando fortalecer a sua participação na discussão sobre mecanismo REDD+ (Redução das Emissões por Desmatamento e Degradação) e ampliação da conservação, do manejo e aumento dos estoques de carbono florestal em nível local, nacional e global.

 

O Centro de Agricultura Alternativa do Norte de Minas (CAA/NM) é a agência executora no Brasil, escolhida por um processo de seleção pública. A organização da sociedade civil, sem fins lucrativos, é a responsável pela gestão dos recursos destinados ao DGM, apoiando os projetos das organizações proponentes.

 

Ana Heloisa d'Arcanchy – Ascom/Funai

Com informações do Centro de Agricultura Alternativa do Norte de Minas - CAA/NM

Destaques

class=No dia 24 de fevereiro, pré-estreia Piripkura. O filme recebeu o prêmio de melhor longa-metragem de Documentário na 19ª edição do Festival do Rio, o Prêmio de Direitos Humanos no IDFA (Festival Internacional de...

Foto: Mário Vilela/Funaiclass=O presidente da Funai participou ontem (19), no Supremo Tribunal Federal, da abertura da exposição "Amazônia", do fotógrafo Sebastião Salgado. No evento, Salgado destacou a importância dos povos indígenas para a proteção...

class=Começou hoje pela manhã o seminário "Boas-vindas à CGLic", realizado na sede da Funai, em Brasília. Durante a abertura do evento, o presidente da Funai, Franklimberg Ribeiro de Freitas, desejou aos novos servidores e...

 
 
 

acesso-informacao

banner 02

logo-ouvidoria

banner 04

banner 05