Funai comemora empoderamento das mulheres indígenas e inovação com coordenação específica de gênero

 

Maíra ressalta, ainda, que a postura reservada das Xavante não pode ser confundida com passividade: "Elas se levantam para colocar sua posição quando é necessário e são trabalhadoras incansáveis", define a indigenista.

 

 

LeiaLéia Rodrigues, Coordenadora-Geral de Promoção da Cidadania na sede da Funai em Brasília, trabalha com a pauta das mulheres há 10 anos. Indígena Wapichana, ela conta que as características que mais admira nas mulheres indígenas é o fato de escutarem mais, terem paciência, firmeza, delicadeza, coragem e pensarem no coletivo.

 

"A Funai é uma universidade, através dela vivenciei experiências que arrisco dizer que jamais vou vivenciar por meio de outra instituição. Atuar junto aos diversos povos indígenas do Brasil é gratificante, me moldou no pessoal, profissional, na minha religiosidade; amadureci, aprimorei os meus conceitos e percepções, me tornei mais sensível e humana frente às diversas realidades, passei a escutar mais e falar menos, a me desdobrar para entender mais. Acessar o mundo de outras mulheres indígenas é um desafio gratificante, me sinto mais mulher indígena. Penso que para trabalhar com os povos indígenas precisa se despir por completo", declarou Léia.

 

 

Cogen: apoiando o protagonismo das mulheres indígenas

 

Atenta ao crescimento da participação feminina no movimento indígena, a Funai apresenta inovação em políticas públicas para mulheres ao ser o primeiro órgão a criar uma coordenação específica voltada aos assuntos de gênero dentro de um recorte, o indígena. Após a Oficina de Capacitação e Discussão sobre Direitos Humanos, Gênero e Políticas Públicas, em 2002, com a participação de 41 mulheres de diferentes povos, a pauta de gênero se intensificou na Funai.

 

A Coordenação de Gênero, Assuntos Geracionais e Participação Social (Cogen) surgiu primeiramente como Coordenação das Mulheres Indígenas vinculada à presidência da Funai, em 2007, e hoje se trata de uma divisão da Coordenação-Geral de Promoção à Cidadania – CGPC. Fortalecer as organizações de mulheres indígenas, apoiar a participação de lideranças indígenas femininas em instâncias de decisão do governo federal acerca de políticas públicas, apoiar eventos de mulheres sobre troca de saberes e o papel da mulher indígena na vida de sua comunidade, com enfoque intergeracional, estão no escopo de atuação da Coordenação.

 

A Cogen tem em seu histórico diversas atuações em eventos de suma importância às questões da mulher indígena ao longo desses anos, entre eles os 13 Seminários participativos sobre a Lei Maria da Penha, envolvendo 457 mulheres indígenas, de 2008 a 2010, que gerou como resultado a elaboração de documento com as propostas das mulheres para serem incluídas no Estatuto dos Povos Indígenas e a realização de seminários com os homens indígenas sobre as leis estatais e principalmente a Lei Maria da Penha.

 

Para o alcance dos objetivos e metas da Coordenação foi necessária a construção de conceitos de gênero e geracional com os povos indígenas, que são úteis para nortear de forma geral a atuação da Funai, mas não suficientes para a realização do trabalho com as mulheres, crianças, jovens e anciões indígenas, pois não contemplam as especificidades, as diferenças e a diversidade desses segmentos. Deste modo, a Funai tem atuado sob a perspectiva de gênero a partir das experiências adquiridas junto às mulheres indígenas, através de diversas atividades desenvolvidas ao longo dos anos.

 

O trabalho da Funai passou a considerar que gênero pode ser identificado no conjunto de relações, atitudes, papéis, ações e representações que envolvem homens e mulheres; dizem respeito a como o feminino e o masculino são construídos, como organizam, classificam e se fazem presentes nas relações sociais, envolvendo pessoas, grupos e sociedade de modos diversos. Gênero é construído social e culturalmente, portanto, o gênero é variável segundo diferentes sociedades, grupos, tempos históricos; seus sentidos podem variar e se transformar.

 

Apoiando financeira e tecnicamente as iniciativas e eventos de mulheres indígenas, a Cogen tem fortalecido essas organizações e dado visibilidade e voz às mulheres indígenas para lutarem pelos seus direitos, promovendo encontros de formação e informação, com o objetivo de capacitá-las para tal.

 

 

Em 2018: II Encontro do Espaço Nacional de Diálogo das Mulheres Indígenas – ENDMI

 

Entre os eventos realizados pela Cogen está o II Encontro Nacional de Diálogo das Mulheres Indígenas, uma parceria com a ONU Mulheres, Secretaria de Políticas para Mulheres - SPM e Embaixada da Noruega.

 

Este ano, o evento acontecerá entre os dias 2 e 6 de abril, em Lábrea-AM, e estarão reunidas representantes de diversos organizações indígenas, algumas compostas somente por mulheres.

 

Destaques

class=A Funai completa mais uma importante etapa na proteção dos povos indígenas isolados da Terra Indígena Kawahiva do Rio Pardo, localizada no município de Colniza, noroeste do Mato Grosso, declarada de posse permanente do povo...

class=Entre os dias 10 e 14 deste mês, servidores responsáveis pelo trabalho com povos indígenas isolados e de recente contato em todo país estiveram em Brasília para realizar o alinhamento anual de atividades.

class=Representantes de 30 Coordenações Regionais, Museu do Índio e Sede da Funai participaram do "Seminário de Encerramento do Exercício 2018", em Brasília, na última terça-feira (11). Realizado pela Coordenação-Geral de...

 
 
 

acesso-informacao

banner 02

logo-ouvidoria

banner 04

banner 05