Franklimberg de Freitas se despede dos servidores da Funai

presidenteNa tarde desta sexta-feira, Franklimberg de Freitas comunicou aos servidores o pedido de exoneração do cargo de presidente da Funai.

 

 

Comentando sobre os desafios enfrentados e as experiências adquiridas em quase um ano à frente do órgão indigenista, Franklimberg agradeceu a todos os servidores pelo trabalho desempenhado: "Graças a tudo que eu aprendi com vocês, me sinto muito seguro em falar sobre o que é a Funai e defender o trabalho de vocês para quem quer que seja. Eu só tenho a agradecer a vocês essa experiência. Encontrei dificuldades, mas sempre pensei positivamente. Assim que recebi essa incumbência, fiquei muito orgulhoso e fiz um compromisso comigo mesmo de manter tudo que aprendi nesses quarenta anos de serviço público, particularmente no Exército Brasileiro. Procurei me alinhar com as atribuições da Funai para que a gente pudesse, de maneira conjunta, alcançar os objetivos do órgão. Eu vejo a abnegação de muitos servidores com quem tive contato direto. Vi que muitos se empenham para que o indígena receba o apoio necessário da Funai. "

 

O discurso foi recebido com aplausos pelos presentes. Alguns indígenas do povo Pataxó agradeceram a atuação do presidente, entoaram, em cântico, Kana Pataxi Petoin, oração em Patxohã, e dançaram junto a Franklimberg.

 

Rodrigo Paranhos, Diretor de Promoção ao Desenvolvimento Sustentável e atual presidente substituto do órgão declarou: "Faço as palavras do presidente as minhas: o órgão existe porque as pessoas acreditam nele e acho que esse é o maior tesouro que nós temos. Defendo que a Funai tem que voltar para a terra indígena, no sentido de estar mais presente no diálogo com os índios. A Funai é uma instituição forte e a gente pode fazer ela crescer. No que precisarem, vocês podem contar comigo."

 

Após o discurso de alguns servidores, Franklimberg se despediu agradecendo e apertando as mãos de cada um deles na porta do auditório da Fundação, em Brasília.

 

 

Acompanhe aqui parte do trabalho desenvolvido por Franklimberg durante o período em que presidiu a Funai.

Destaques

class=

Um lugar onde se planta e colhe frutos - um pomar. Em língua xavante, Abahi Tebrezê é o nome do projeto abraçado há dois anos pelas mulheres indígenas Xavante, da Terra Indígena (TI) Pimentel Barbosa, MT. Trata-se de uma ação de resgate do conhecimento tradicional, a partir da revitalização do cultivo de batatas nativas. A ideia é, a longo prazo, amenizar - e até reverter - efeitos negativos das mudanças nos hábitos alimentares e a sedentarização causada pela introdução de alimentação industrializada na comunidade.

 

class=

O Conselho de Gestão do Patrimônio Genético (CGen) deu ganho de causa ao povo Ashaninka no julgamento de um ato de infração da empresa Tawaya por usar indevidamente o conhecimento tradicional dos indígenas na fabricação...

class=Financiado com recursos do Banco Mundial, o Projeto de Desenvolvimento Rural Sustentável - Microbacias II distribuiu R$ 1,2 milhão para atividades produtivas em dez aldeias da Baixada Santista nos últimos quatro anos. O...

 
 
 

acesso-informacao

banner 02

logo-ouvidoria

banner 04

banner 05