Morre Cacique João “Garimpeiro” Arrezomae - grande guerreiro pela demarcação da Terra Indígena Paresi

joao garimpeiro2"A terra é meu coração, a água é meu sangue e o ar é meu espírito". Essa frase era conhecida como a ideologia do Cacique Geral João Arrezomae, falecido na manhã desta segunda-feira (16), na aldeia Kamae, da Terra Indigena Paresi (Tangará da Serra/MT). A notícia foi dada por seu filho, Carlito Okenazokie, que encorajou seu povo a continuar lutando, mesmo em meio à tristeza: "a nossa vida continua e vamos seguir a nossa caminhada. É uma perda muito grande, um sentimento muito forte", lamentou.

 

João foi servidor da Funai como agente de saúde e, posteriormente, da Fundação Nacional de Saúde – Funasa, a partir de 1999. Atualmente, estava aposentado e tinha 90 anos. Mas sua luta foi muito além disso.

 

Conhecido como "João Garimpeiro", recebeu esse apelido em razão de ter trabalhando em um garimpo fora da aldeia e, depois de retornar ao seu povo, ter lutado pelas terras, hoje demarcadas para povo Haliti/Paresi que, juntas, somam mais de um milhão de hectares. João atuou como um guerreiro junto a Daniel Matenho Cabixi, falecido em novembro de 2017, também servidor da Funai.

 

Martins Toledo de Melo, da Coordenação Técnica Local de Tangará da Serra, conhecia o Cacique e relembrou que "à noite, quando o visitava e dormia na casa dele, as conversas eram longas, sobre diversos assuntos, mas principalmente sobre manter o grupo unido, para pensar como povo e não individualmente.", afirmou o Técnico em Indigenismo.

 

Em entrevista à Funai, Rony Paresi, Cacique da aldeia Wazare e sobrinho de João Garimpeiro, fez a seguinte declaração: "o meu tio, João Arrezomae, foi um dos grandes guerreiros, juntamente com Daniel Kabixi e Walter Avelino, já falecidos, e muitos outros que estão vivos ainda e escreveram uma nova trajetória de vida, de conquista e de resistência do nosso povo HalitI/Paresi. Por essa razão, enquanto estiver vivo, irei defender a demarcação do nosso território, principalmente a manutenção e a revitalização da nossa cultura Paresi. É um desafio que temos e o que ele trouxe consigo até hoje vai ser um norte para uma nova trajetória de luta. Ele vai se eternizar como vários outros guerreiros e lideranças do nosso povo".

 

O sepultamento do Cacique ocorrerá na terça-feira (17) entre as 7 e 8 horas da manhã, na aldeia Kamae.

 


Ana Carolna Vilela - Ascom/Funai

Com informações da CTL Tangará da Serra

Destaques

class=Próximo ao Parque Nacional do Araguaia e a cerca de 300 km da capital do Tocantins, Palmas, vive o Povo Krahô-Kanela, que tem realizado um importante trabalho de proteção dos rios Formoso e Javaés, em seu território. Para coibir a recorrente exploração ilegal da água feita por empreendimentos agrícolas, os Krahô realizam a fiscalização permanente da Terra Indígena Mata Alagada. (Imagem da capa: exploração ilegal de água no território indígena. Foto: Wagner Krahô-Kanela/Associação Apoinkk)

class=A Funai vem a público se posicionar em relação às informações veiculadas na mídia sobre um suposto conflito em que indígenas da região de Brasnorte teriam recebido o exército com flechas.

class=Com o objetivo de garantir a participação dos indígenas no projeto PREVBarco e qualificar o atendimento de acordo com as especificidades dessa população, a Fundação Nacional do Índio (Funai) e o Instituto Nacional do...

 
 
 

acesso-informacao

banner 02

logo-ouvidoria

banner 04

banner 05