Artesanato promove manutenção da cultura Kaingang no Sul do país

arte kaingang   umBrincos, pulseiras, colares e anéis; filtros de sonho, tiras e peneiras. O artesanato produzido por cerca de 230 famílias indígenas no noroeste do Rio Grande do Sul é a principal fonte de renda e subsistência das aldeias Kaingang localizadas nos municípios gaúchos de Iraí, Vicente Dutra e Lajeado do Bugre. Além da importância econômica, a atividade artesanal representa o resgate de aspectos culturais imprescindíveis à própria identidade indígena.



"Desde pequenas, as crianças aprendem a fazer tudo. Para os indígenas 'problema' é a criança ou o jovem não aprender, não saber confeccionar artesanato, pois não saberá ganhar seu sustento. Sem a prática do artesanato, sua tradição cultural morrerá", explica a servidora Maryjara Mazzocato Dazzi, da Coordenação Técnica Local da Funai em Iraí/RS.

Conforme esclarece Maryjara, a atividade artesanal é a principal fonte de renda para o povo Kaingang, pois as comunidades indígenas estão restritas a pequenos territórios e aldeamentos nas Terras Indígenas Iraí e Rio dos Índios. "Apenas algumas famílias plantam suas roças de subsistência, e a renda familiar advêm do artesanato", afirma.arte kaingang   dois


Desafios
Uma grande dificuldade enfrentada nas aldeias é a escassez de matéria prima para o artesanato. Para obter taquara, cipó ou madeira, os artesãos e artesãs indígenas precisam fretar um caminhão. Depois de confeccionar o artesanato, ainda necessitam viajar a outras cidades para comercializá-lo. Maryjara revela que famílias inteiras chegam a acampar em terrenos baldios, sem infraestrutura adequada como água, energia elétrica e banheiros.

"Já alguns poucos municípios oferecem melhores condições para os indígenas que se encontram de passagem. E também os servidores locais da Funai juntamente com lideranças indígenas vêm fazendo um trabalho insistente e pontual junto a gestores e população dos municípios mais procurados para o comércio do artesanato, como, por exemplo, as cidades onde acontecem feiras e exposições", comenta.

A servidora da Funai conta que, entre os meses de dezembro e fevereiro, muitos indígenas fretam ônibus para deslocarem-se até o litoral do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná, onde o comércio do artesanato tem um bom retorno devido ao intenso movimento de turistas. Na chuva, no calor do verão gaúcho ou sob o frio do vento minuano, o artesanato é um trabalho de superação que atesta a perseverança do povo Kaingang diante das dificuldades.

 

 

Assessoria de Comunicação / Funai
com informações da CLT Iraí-RS

Destaques

class=Representantes de 30 Coordenações Regionais, Museu do Índio e Sede da Funai participaram do "Seminário de Encerramento do Exercício 2018", em Brasília, na última terça-feira (11). Realizado pela Coordenação-Geral de...

class=

 

As experiências e iniciativas sustentáveis de geração de renda empreendidas pelos Kĩsêdjê chamaram a atenção dos Xavante (autodenominados A'uwẽ) que, para conhecê-las, empreenderam uma viagem de quase 600 km, promovida pela Coordenação Regional Xavante na primeira semana de dezembro.

class=O indigenista Fernando Schiavini, o repórter Rubens Valente e o antropólogo e professor universitário Henyo Barreto foram alguns dos nomes que abrilhantaram a II Semana Indigenista da Funai entre os dias 3 e 7 de dezembro.

 
 
 

acesso-informacao

banner 02

logo-ouvidoria

banner 04

banner 05