Parceria entre Funai e Povo Jamamadi promove a proteção de índios isolados no Médio Purus, Amazonas

jamamadi bProteção, vigilância, expedições de localização. Seria possível o trabalho com povos indígenas isolados e de recente contato ser ainda mais extenso e complexo? A Frente de Proteção Etnoambiental Madeira-Purus (FPEMP) tem provado que sim. 

 

 

Imagem da capa, os indígenas Timoteo Hi-merimã, Abadias Wayafi, José Hawa e Jaime Nakanike com cerâmica dos Hi-Merimã isolados

 

Nos últimos anos, as bases de vigilância da FPEMP em Canaru, Piranha e Suruwaha – estrategicamente instaladas nas Terras Indígenas Hi-Merimã e Zuruwahã, têm atuado com excelência na vigilância ostensiva e em tempo integral desses territórios, priorizando a proteção e o monitoramento da área.

 

Estas atividades da Frente de Proteção Etnoambiental Madeira-Purus contam com a articulação da Coordenação Regional Médio Purus e Coordenação Regional Madeira junto com as Coordenações Técnicas Locais de Lábrea, Pauini, Canutama e Tapauá. A PFEMP recebe o apoio das seguintes organizações:

- Federação das Organizações e Comunidades Indígenas do Médio Purus (Focimp);

- Conselho Indigenista Missionário (Cimi);

- Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio);

- Operação Amazônia Nativa;

- Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB);
- Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social do Museu Nacional (UFRJ);

- Serviço Florestal Americano (US Forest Service); e
- Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (Usaid).

 

Ações integradas

jamamadi c ed reversoA FPEMP, também realiza, anualmente, desde 2014, diversas expedições de localização nas áreas correspondentes a registros da presença de dois povos indígenas isolados. Os Kagwahiva no interflúvio Roosevelt/Purus; e os Arawá no interflúvio Juruá/Purus. Mas, para além das ações de vigilância e fiscalização, é o aspecto integrador que tem se destacado no trabalho dessas bases.

 

Estas unidades avançadas da Fundação Nacional do Índío têm se consolidado como importantes espaços de interlocução e articulação com os povos indígenas, comunidades não indígenas do entorno e antropólogos, tanto por ocasião de oficinas de capacitação, quanto, de forma mais cotidiana, em encontros para troca de experiências diversas. 

Os cursos de treinamento e oficinas reúnem, regularmente, representantes dos povos indígenas Jamamadi, Jarawara, Banawa, Apurinã e Paumari para formação continuada e reflexões sobre o território e o trabalho de vigilância. Alguns temas abordados em tais encontros tornaram-se pautas frequentes nos debates locais: as concepções sobre isolamento e contato no médio Purus; a importância das plantas e suas formas humanas; o uso dos venenos; a centralidade do tabaco (tabaco: sina na língua madi e kumadi, em suruwaha) para muitos povos da região, para citar apenas alguns temas.

 

Hi-Merimã, um caso de sucesso

As ações no território Hi-Merimã é um caso emblemático de uma experiência bem sucedida da parceria entre Funai, povos indígenas, não indígenas e antropólogos, e do investimento da FPEMP em compreender uma dinâmica social mais ampla na qual estes povos da família linguística arawá estão inseridos. O fortalecimento das ações de vigilância e proteção do território do povo indígena isolado Hi-Merimã resulta da compreensão e do reconhecimento de diversos aspectos: o amplo contexto de relações sociais entre os povos Madi, conjunto ao qual pertencem os Hi-Merimã, a centralidade da relação destes povos com o universo vegetal e o violento histórico de contato com os brancos e de como ele afetou bruscamente as configurações das comunidades indígenas Arawa de todo o curso do médio Rio Purus.

Desde o ano de 2016, as expedições de monitoramento dos vestígios Hi-Merimã são realizadas sempre com a importante participação dos povos indígenas do entorno, sobretudo os Jamamadi, que compartilham com os isolados importantes aspectos de sua cosmologia, organização social, práticas de manejo da mata entre outras questões. Como resultado, essas expedições têm revelado que um dos reflexos salutares das ações de vigilância e fiscalização é a retomada paulatina por parte dos Hi-Merimã de territórios de uso tradicional.

(continuação: página 2)

Destaques

class=Professores indígenas, crianças e anciões da Terra Indígena Kwatá Laranjal participaram da 3ª Oficina do Projeto Ya'õ Etabeg de revitalização da língua Munduruku. O principal objetivo da iniciativa é expandir o ensino...

class=Os Karajá das aldeias Fontoura e Santa Isabel do Morro deram o primeiro passo para a implantação do manejo participativo de pirarucus na Ilha do Bananal (TO). Entre os dias 1º e 7 de agosto, foram realizados cursos voltados...

class=Em apenas 20 dias como presidente da Funai, Marcelo Xavier já recebeu na sede do órgão, em Brasília, mais de 200 indígenas de várias etnias do país. Entre as principais demandas, as lideranças reivindicaram qualidade do...

 
 
 

acesso-informacao

banner 02

logo-ouvidoria

banner 04

banner 05