Parceria entre Funai e Povo Jamamadi promove a proteção de índios isolados no Médio Purus, Amazonas

 

 

A expedição de monitoramento realizada em setembro de 2018 pela FPEMP, com a participação dos Jamamadi, percorreu a região do igarapé Canuaru, no interior do território Hi-Merimã, e revelou vestígios que comprovam a retomada de uma dinâmica territorial que fora abandonada em virtude dos riscos e do assédio exercido por invasores. A intensificação das articulações do entorno e a reconfiguração do sistema de vigilância de acordo com as transformações para uma nova realidade são alguns dos desafios que a FPEMP, os indígenas e demais parceiros deverão enfrentar juntos nos próximos anos.

Quem são os Hi-Merimã?

 

Os Hi-Merimã desmistificam algumas definições da categoria coletor-caçador, na medida em que suas técnicas de manejos são tão elaboradas quanto às dos povos mais sedentários e agricultores. Eles extraem o vinho de palmeiras como açaí, bacaba, buriti e pataua com utensílios que produzem junto com cerâmicas.

Para os Hi-Merimã, o modus de vida itinerante é caracterizado por uma mobilidade cíclica. Eles permanecem por um ano – no máximo – em uma determinada região. De tempos em tempos, aproximadamente de quatro em quarto anos, os Hi-Merimã revisitam seus antigos acampamentos.

Daniel Cangussu, coordenador da FPEMP, constata: "parece haver dois padrões distintos de mobilidade apresentados pelos Hi-Merimã a julgar pelos vestígios que temos analisado nos últimos cinco anos. Penso que os Hi-Merimã, a exemplo dos seus vizinhos Jamamadi, Banawa e Suruwaha, são um coletivo, não um povo, formado por pequenos grupos dispersos e com grande mobilidade, a exemplo do que possivelmente foram os demais povos Arawa antes do contato com os brancos".

 

Assessoria de Comunicação Social/Funai

com informações de Daniel Cangussu / FPE Madeira-Purus




Destaques

class=

 

Promover e proteger os direitos sociais, culturais e de cidadania dos povos indígenas no Brasil, a partir do respeito à diversidade e à organização específica de cada povo, é umas das competências da Funai que exigem grande mobilização e conhecimento técnico. Durante o ano de 2018, a Coordenação-Geral de Promoção da Cidadania (CGPC) da Diretoria de Promoção ao Desenvolvimento Sustentável (DPDS) coordenou e apoiou diversas ações por todo Brasil que retratam o compromisso da instituição em fortalecer instrumentos e iniciativas que garantam os direitos das populações indígenas.

class=Em relação às matérias equivocadamente veiculadas na imprensa sobre o recém-empossado presidente da Fundação Nacional do Índio, Franklimberg de Freitas, não ter cumprido o período de quarentena estabelecido por lei ao...

class=

 

Há menos de 20 dias do início de 2019 e algumas instituições de ensino superior do país já estão envolvidas em diferentes fases dos processos seletivos específicos para admissão de alunos indígenas. Encerram hoje (18) as inscrições para o Vestibular 2019 do curso de Licenciatura Intercultural Indígena - Teko Arandu da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD).

 
 
 

acesso-informacao

banner 02

logo-ouvidoria

banner 04

banner 05