Funai e ICMBio estudam capturar e remover onças que ameaçam comunidades indígenas no Parque Xingu


onca d reversoAs equipes consideraram quatro aspectos para avaliar o risco de ataques de onças:

 

1. o dia a dia dos indígenas: se eles saem para as roças juntos ou sozinhos, se elas vão acompanhados ou não para o banho na lagoa ou rio, ou se passam por muitos locais de mata fechada, os horários de atividades;

 

2. as ocorrências de onças: frequência com que estes animais rondavam locais próximos às aldeias;

 

3. a distância em que as onças estiveram em relação às aldeias;

 

4. a quantidade de cães que haviam sido atacados pelas onças.

 

 

Manejo da onça-problema

 

A curto prazo, o analista ambiental do ICMBio afirmou que a providência a ser tomada é identificar, capturar e, possivelmente, remover o animal-problema. Observou-se, a partir das informações obtidas, que a onça responsável pelo ataque da Kamayurá é um macho e cuja presença no interior da aldeia tem sido muito frequente.

A médio e longo prazos, deve-se buscar o manejo dos fatores que estão levando as onças a chegarem perto das aldeias. Pretende-se investigar melhor quais são eles. Entre as sugestões apresentadas estão o aumento do desmatamento e das queimadas nos limites do Parque Indígena do Xingu e a alta quantidade de cães domésticos. Pretende-se dar continuidade à essas avaliações e monitorar as onças com coleiras de rastreamento por satélite para uma análise de risco mais precisa. A Funai e ICMBio também consideraram a necessidade de se realizar ações de educação com os indígenas para reduzir o medo perante às onças e retomar os valores sagrados da espécie para as etnias. 

 

Ambas instituições planejam continuar desenvolvendo as atividades de forma conjunta buscando promover a harmoniosa convivência milenar entre os indígenas do Alto Xingu e os grandes predadores.


Assessoria de Comunicação Social / Funai

Destaques

class=Professores indígenas, crianças e anciões da Terra Indígena Kwatá Laranjal participaram da 3ª Oficina do Projeto Ya'õ Etabeg de revitalização da língua Munduruku. O principal objetivo da iniciativa é expandir o ensino...

class=Os Karajá das aldeias Fontoura e Santa Isabel do Morro deram o primeiro passo para a implantação do manejo participativo de pirarucus na Ilha do Bananal (TO). Entre os dias 1º e 7 de agosto, foram realizados cursos voltados...

class=Em apenas 20 dias como presidente da Funai, Marcelo Xavier já recebeu na sede do órgão, em Brasília, mais de 200 indígenas de várias etnias do país. Entre as principais demandas, as lideranças reivindicaram qualidade do...

 
 
 

acesso-informacao

banner 02

logo-ouvidoria

banner 04

banner 05