Funai e MPF dialogam sobre direitos dos povos indígenas

MPFO presidente da Fundação Nacional do Índio, Franklimberg de Freitas, participou nessa quarta-feira (23) do encontro "Diálogo: Perspectivas dos Direitos Constitucionais Índígenas", promovido pela 6º Câmara do Ministério Público Federal, em Brasília. O evento contou com a participação da Procuradora-Geral da República, Raquel Dodge; do Vice-Procurador-Geral da República, Luciano Maia; da Ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves; do Ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles; da Secretária Nacional de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, Sandra Terena; além de membros do MPF, embaixadores de 15 países, lideranças indígenas e representantes da sociedade ligados à causa indígena no Brasil.

 

Convidado para falar sobre "A Política Indigenista do Governo Federal", o presidente da Funai afirmou que o governo tem como objetivo garantir melhores condições de vida para os povos indígenas. "Estou de volta à Funai há apenas cinco dias. É um desafio muito grande e acredito ter uma vivência na área da política indigenista para auxiliar o novo governo. A ministra Damares Alves já me informou seu interesse de ir com frequência na ponta da linha, aonde os indígenas mais precisam do Estado, para conhecer os problemas que eles enfrentam. Esse é um compromisso dela. Além disso, ela determinou uma auditoria em todos os contratos da Funai. Os recursos destinados aos indígenas têm de ser aplicados onde as comunidades precisam, como por exemplo na construção de casas de farinha", ressaltou Franklimberg.

Sobre as mudanças anunciadas pelo Presidente Jair Bolsonaro, transferindo para o Ministério da Agricultura a competência de decidir sobre as demarcações e licenciamentos ambientais em terras indígenas, Freitas explicou que o objetivo da medida é acelerar os processos e garantir sua segurança jurídica.

"Essa não é a primeira vez que uma área da Funai é transferida para outro ministério. Em 1991, a educação indígena foi transferida para o Ministério da Educação, e em 1999, a saúde passou a ser responsabilidade da FUNASA. Quando presidi a Funai de 2017 a 2018, assinei apenas um RCID, que é o Relatório Circunstanciado de Identificação e Delimitação, embrião de uma terra indígena. Naquela oportunidade, tínhamos apenas oito servidores (com a chegada dos concursados o número aumentou para 16) para cuidar dessa área, que atualmente tem 116 terras em estudo, 57 terras judicializadas e 481 reinvindicações dos indígenas, fora as contestações. Na Bahia, por exemplo, tem uma terra indígena que possui 135 contestações. O processo está correndo há dois anos e ainda não está nem na metade. A criação do Conselho Interministerial vai dar transparência e celeridade ao processo de demarcação", disse o presidente.

 

Franklimberg de Freitas

Freitas ressaltou ainda a importância da Funai em garantir os direitos dos mais de 900 mil indígenas por meio da Diretoria de Proteção ao Desenvolvimento Sustentável, que cuida da gestão ambiental, promoção à cidadania, etnodesenvolvimento e direitos sociais dos povos indígenas; e da Diretoria de Proteção Territorial, que continuará cuidando do geoprocessamento e do monitoramento territorial em terras indígenas e dos povos isolados e de recente contato.

Questionada sobre as mudanças, a Ministra Damares Alves afirmou que "o governo Bolsonaro "veio, e veio com o diálogo". Mais tarde, na última mesa do evento, a Secretária Nacional de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, Sandra Terena, afirmou que "nenhum direito dos indígenas será tirado" e que o governo tem como objetivo a transversalidade entre os ministérios e suas secretarias. "A Funai foi transferida para o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos porque o Ministério da Justiça estará focado mais no combate ao crime organizado e à corrupção. O MMFDH é o lugar certo para trabalhar os indígenas como um todo, principalmente na proteção aos seus direitos.

Lideranças indígenas

Representando o povo Terena, o advogado Luiz Eloy Amado chamou atenção para a falta de recursos nas comunidades mais distantes. "Lá na ponta a Funai é fraca", afirmou. Segundo ele, a riqueza de um povo não pode ser avaliada pela questão monetária, mas pelo fato de 100% da comunidade falar o idioma materno. "É um índice de desenvolvimento", disse.

Já Joênia Wapichana, primeira mulher indígena eleita deputada federal no Brasil, afirmou que o seu mandato será focado a dar visibilidade para os direitos coletivos indígenas. "Meu mandato é coletivo. Se sintam parte dele".

Destaques

class=A Câmara de Populações Indígenas e Comunidades Tradicionais do Ministério Público Federal (6CCR) lança o Manual de Jurisprudência dos Direitos Indígenas. A publicação traz 26 temas de direitos indígenas discutidos a partir de casos concretos, com a compilação das principais decisões de tribunais nacionais e internacionais em cada temática analisada. A obra tem como objetivo subsidiar a atuação de membros do Ministério Público Federal na defesa de direitos dos povos originários, órgãos governamentais e organizações não-governamentais, além de estudantes e pesquisadores.

class=O Conselho Nacional de Assistência Social (CNAS) instituiu grupo de trabalho para discussão de assuntos voltados ao acompanhamento e avaliação da gestão dos recursos, impactos sociais e desempenho das ações da Rede de...

class=Histórias do céu contadas por Zahy e Tatá – ou na versão tupi Ywak Rehe Ma'e Imune'u Haw Zahy-Tatá Wanemimume'e Kwer –, foi recentemente traduzido pelo professor de língua indígena Antônio Gomes Guajajara. A obra foi...

 
 
 

acesso-informacao

banner 02

logo-ouvidoria

banner 04

banner 05