Funai envia servidores para aldeia atingida pelo rompimento da barragem em Brumadinho

A Fundação Nacional do Índio enviou nesse domingo (27) uma equipe de servidores para dar apoio à aldeia Naõ Xohã, situada no município de São Joaquim de Bicas, vizinho ao local da tragédia ocorrida na última sexta-feira (25), após o desabamento de uma barragem da mineradora VALE.

 

Mais de 80 indígenas vivem às margens do rio Paraopeba, fonte de sustento para as 20 famílias Pataxó Hã-hã-hãe. De acordo com os servidores da Funai, ninguém se feriu. "Eles estão em uma área segura em relação à posição do rio e até ontem nos informaram que tinham pequenas reservas de água", afirmou o coordenador regional de Governador Valadares, Jorge Luiz de Paula.

 

Ontem, a pedido da Ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, voluntários entraram em contato com a Funai, que disponibilizou um caminhão para arrecadar doações de água, que serão levadas à aldeia nesta segunda-feira. Além disso, o presidente da Fundação, Franklimberg de Freitas, está articulando com o comando da operação em Brumadinho para garantir o apoio da empresa e dos órgãos governamentais. "Amanhã já levamos água e, possivelmente, o que mais eles precisam", afirmou o presidente, que está em contato desde sexta-feira com a Ministra Damares Alves.

 

No local, a esposa do cacique Haiô, Célia Angoró Pataxó, disse que eles não deixarão suas casas. "Apesar de estarmos temerosos quanto ao desabamento de mais uma barragem, não vamos sair daqui. Precisamos, agora, de água e leite para as crianças", afirmou.

 

De acordo com o coordenador da Funai, o contato com a câmara técnica que lidera as ações na área já foi feito, mas o foco das doações e do atendimento médico ainda está nas vítimas do desastre.

 

 

Assessoria de Comunicação/Funai 

Destaques

class=

Um lugar onde se planta e colhe frutos - um pomar. Em língua xavante, Abahi Tebrezê é o nome do projeto abraçado há dois anos pelas mulheres indígenas Xavante, da Terra Indígena (TI) Pimentel Barbosa, MT. Trata-se de uma ação de resgate do conhecimento tradicional, a partir da revitalização do cultivo de batatas nativas. A ideia é, a longo prazo, amenizar - e até reverter - efeitos negativos das mudanças nos hábitos alimentares e a sedentarização causada pela introdução de alimentação industrializada na comunidade.

 

class=

O Conselho de Gestão do Patrimônio Genético (CGen) deu ganho de causa ao povo Ashaninka no julgamento de um ato de infração da empresa Tawaya por usar indevidamente o conhecimento tradicional dos indígenas na fabricação...

class=Financiado com recursos do Banco Mundial, o Projeto de Desenvolvimento Rural Sustentável - Microbacias II distribuiu R$ 1,2 milhão para atividades produtivas em dez aldeias da Baixada Santista nos últimos quatro anos. O...

 
 
 

acesso-informacao

banner 02

logo-ouvidoria

banner 04

banner 05