Funai realiza Expedição para proteção de indígenas Korubo no Vale do Javari

 

 

A Expedição

 

Funai e Korubos integrantes da expedicaoA expedição partiu no dia 3 de março da Base de Proteção da Funai no rio Ituí em direção ao rio Coari, um dos seus principais afluentes, após mais de três anos de discussões, meses de planejamento, diálogo com indígenas na região e articulação com instituições governamentais, concretizando assim esse desdobramento do contato de 2015. Ao todo, a equipe contava com 30 pessoas, entre elas seis indígenas Korubo, quatro Mayoruna, três Marubo e quatro Kanamari. Todos passaram por um período de quarentena, de 3 a 12 de março, antes de iniciarem as atividades mata adentro, a fim de garantir que não fossem transmitidas doenças de fora para qualquer um dos indígenas.

 

Vale ressaltar que o início das discussões indigenistas para essa missão e a posterior preparação das atividades no local foi garantido pela Frente de Proteção Etnoambiental Vale do Javari, unidade da Funai responsável pela atuação junto aos povos isolados e de recente contato no Vale do Javari, a qual tem como uma de suas funções a proteção territorial e o monitoramento permanente da região por meio de suas Bases de Proteção.

 

Foi construído um acampamento no rio Coari, próximo ao Igarapé Coarizinho, de onde partiu a equipe à procura dos Korubo. Ainda em outubro de 2018, a Funai abriu uma roça nas proximidades da foz do Coari, onde foi plantado macaxeira, milho, pupunha e banana, entre outros vegetais da região, para garantir que as demandas nutricionais fossem atendidas numa situação de emergência.

 

O plano principal consistiu em realizar parte da expedição pela mata, detectando vestígios da presença dos Korubo isolados do Coari. A avaliação das evidências pela equipe, que contava com indígenas e indigenistas com até 30 anos de experiência, permitiria estimar a distância que os indígenas podiam estar da equipe (a partir de uma árvore derrubada recentemente ou de frutos recentemente colhidos, cascas, pegadas, cestos, restos de alimentos, por exemplo). Quando fosse considerada uma proximidade maior, apenas os Korubo contatados seguiriam para comunicar-se com seus familiares e explicar o motivo da presença de pessoas estranhas em seu território e iniciar um diálogo sobre a situação de proximidade com outros povos.

 

No final do dia 13 de março a equipe confirmou que os Korubo não estavam em suas habitações contemporâneas e passou a tentar localizá-los em seus roçados antigos e área de coleta de importantes insumos da floresta.

 

 

Continua na próxima página 

 

Destaques

class=A Fundação Nacional do Índio (Funai) passou a contar com uma Central de Atendimento específica para solicitações dos povos indígenas relacionadas ao combate à covid-19. A intenção é fazer com que as informações...

class=Com atuação em uma área que cobre 146 aldeias na região do município de Lábrea, oeste do Amazonas, a Coordenação Regional do Médio Purus é a unidade da Funai responsável pelo atendimento de cerca de 9 mil indígenas...

class=Na terça-feira (30), primeiro dia da Operação Covid-19 nas terras indígenas Yanomami e Raposa Serra do Sol, em Roraima, o governo federal levou atendimento médico a comunidades da região, além de equipamentos de proteção...

 
 
 

acesso-informacao

banner 02

logo-ouvidoria

banner 04

banner 05