Funai realiza fiscalização em terras indígenas e coíbe crimes contra povos Awá e Guajajara

awa pIniciada no dia 13 de fevereiro, a fiscalização em andamento nas Terras Indígenas Awá-Guajá, Caru e Alto Turiaçu, no Maranhão, identificou crimes cometidos por não indígenas que insistem em ocupar ilegalmente o território. Em parceria com o Governo do Estado e vigilantes indígenas Guajajara e Awá, a operação desmantelou uma serraria clandestina e apreendeu armas e produtos de pesca predatória no Rio Pindaré.

 

A fiscalização se estende até o dia 13 de maio e conta com apoio de oito policias militares, num total de 36 pessoas envolvidas. Como parte das ações, a Funai tem realizado reuniões com as lideranças indígenas locais para o planejamento e execução do Plano de Ocupação e Proteção da Terra Indígena Awá-Guajá.

 

A medida irá definir estratégias de ocupação e defesa do território por meio da criação de aldeias, cultivo de roças, áreas de caça e de vigilância. Ao longo dos últimos anos, a ocupação ilegal de não indígenas resultou no desmatamento de mais de 30% da floresta nativa no território indígena, conforme informações do Projeto de Monitoramento da Floresta Amazônica Brasileira por Satélite (PRODES), do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).

 

awa vDe acordo com o Coordenador da Frente de Proteção Etnoamboental Awá, Bruno de Lima e Silva, "a operação visa não só salvaguardar os direitos à terra e à vida do Povo Awá, garantidos na Constituição Federal. Mas também cumpre o papel de se pensar estrategicamente a ocupação da Terra Indígena, a proteção aos índios isolados e do corredor de floresta nativa da Amazônia Legal que faz parte do Complexo do Gurupi".


O diretor de Proteção Territorial, João Alcides Loureiro Lima, esclarece que "a Diretoria de Proteção Territorial (DPT) tem como atribuição implementar e monitorar as políticas de Proteção Territorial, em articulação com órgãos e entidades da administração pública. Com base nisso, a Funai tem buscado parcerias com a Segurança Pública dos estados, Polícia Federal, IBAMA e outras instituições, para intensificar as ações de repressão aos ilícitos nas Terras Indígenas. Outras operações semelhantes vão ocorrer durante o ano em diversos locais, no modelo de Operações Inter-Agência", conclui.

Saiba mais

Os Awá-Guajá são um povo de língua tupi-guarani presente em quatro terras indígenas no Maranhão – TIs Caru, Awá, Alto Turiaçu e Araribóia –, com uma população considerada de recente contato com mais de 400 pessoas, além de outros grupos que vivem isolados.

Reconhecida desde 1992, como de posse permanente dos Awá-Guajá e homologada por Decreto Presidencial em 2005, a Terra Indígena Awá é alvo de constantes invasões e exploração ilegal de madeira. Essa situação traz graves prejuízos para a sobrevivência dos Awá, que vivem exclusivamente da caça e da coleta. A caça é mantida como base de sua vida social e determina o padrão de ocupação tradicional do território, de grande dispersão.

Desmatamento ilegal

Em junho de 2013, o IBAMA iniciou uma força-tarefa com o apoio do Exército Brasileiro, denominada Operação Hileia Pátria, para fiscalização das Unidades de Conservação Federal, Terras Indígenas e entorno. À época, foram fechadas 27 serrarias no entorno da Terra Indígena Awá – que se sobrepõe à Reserva Biológica Gurupi – e apreendidos cerca de quatro mil metros cúbicos de madeira retirada daquele território.



Assessoria de Comunicação Social

Fundação Nacional do Índio

Destaques

class=Professores indígenas, crianças e anciões da Terra Indígena Kwatá Laranjal participaram da 3ª Oficina do Projeto Ya'õ Etabeg de revitalização da língua Munduruku. O principal objetivo da iniciativa é expandir o ensino...

class=Os Karajá das aldeias Fontoura e Santa Isabel do Morro deram o primeiro passo para a implantação do manejo participativo de pirarucus na Ilha do Bananal (TO). Entre os dias 1º e 7 de agosto, foram realizados cursos voltados...

class=Em apenas 20 dias como presidente da Funai, Marcelo Xavier já recebeu na sede do órgão, em Brasília, mais de 200 indígenas de várias etnias do país. Entre as principais demandas, as lideranças reivindicaram qualidade do...

 
 
 

acesso-informacao

banner 02

logo-ouvidoria

banner 04

banner 05