Com projeto de hortas comunitárias, indígenas do Médio Purus geram renda para suas aldeias

purus g edOs 51 canteiros construídos no mês de março em cinco aldeias da Terra Indígena Caititu já começaram a produzir hortaliças, gerar renda e fortalecer a segurança alimentar naquelas comunidades indígenas. Destaque para a produção de tomate, maxixe, couve, chicória, alface, pimenta, coentro e cebolinha. Aproximadamente de 160 indígenas foram beneficiados com a construção dos canteiros.

 

Parte da produção é comercializada nas feiras de Lábrea/AM, cidade mais próxima à da Terra Indígena Caititu, cuja extensão é de 308 mil hectares. A construção dos canteiros, que começou no início de março deste ano, contou com o apoio da Coordenação Regional Médio Purus/Funai na articulação das aldeias durante a fase de planejamento e no apoio logístico com transporte e combustível. As comunidades indígenas também receberam o apoio Prefeitura de Lábrea com fornecimento de sementes, adubos e supervisão dos técnicos agrícolas.

purus i edUma das lideranças indígenas na região, o cacique Raimundo Apurinã, fala com esperança sobre o projeto dos canteiros comunitários. "Foi um grande avanço que tivemos. Uma grande melhoria porque nunca alcançamos esse objetivo. Mas com ajuda da Funai e da Prefeitura, nós estamos realizando um sonho dessas comunidades e vamos tentar a cada dia chegar mais na frente com esses canteiros", resume o cacique.

Para o coordenador substituto da Coordenação Regional Médio Purus/Funai, José Apurinã, a participação da Fundação nos projetos das hortas comunitárias deve-se a uma resposta ao "crescimento de demandas das comunidades indígenas que têm solicitado apoio para a construção de novos canteiros. Uma horta comunitária é o meio de subsistência onde se pode gerar renda para as famílias nas aldeais", afirma.

Além da T. I. Caititu -- onde habitam os povos Apurinã, Jamamadi e Paumari, o projeto dos canteiros deve ser ampliado para outras comunidades. De acordo com José Apurinã, aldeias de três territórios indígenas já demostraram interesse em implementar o projeto nas Terras Indígenas Paumari do Lago Marahã, Paumari do Rio Ituxi e Jarawara/Jamamadi. Nesses três territórios vivem cerca de 2.000 pessoas (Funai/Médio Purus, 2010).

Agricultura indígena

purus e edPara o engenheiro agrônomo, Leopoldo Feldens, no livro "O homem, a agricultura e a história" (Ed. Univates, 2018), durante as "diversas fases históricas do Brasil pré-colonial, a agricultura indígena primou pelo extrativismo equilibrado e pela agricultura de subsistência". Ele afirma que "o cultivo de certas espécies era precedido pela prática da coivara, que "consistia no corte e na queima de modo controlado e com baixo impacto ambiental. Consistia na derrubada de pequeno trecho de mata (...) e a posterior queima, para que, no início do período chuvoso, se iniciasse o plantio".

Feldens relata que "algumas etnias conheciam calendários de plantio oriundos de conhecimentos ancestrais, seleção de espécies mais produtivas e até já buscavam uma primitiva diversificação de culturas". De acordo com o agrônomo, algumas aldeias "tinham roças razoavelmente grandes; já outras, plantações bem pequenas. Plantavam favas, arroz, feijão, diferentes espécies de milho, banana, abóbora e melancia. O milho nem sempre se desenvolvia bem em áreas onde a batata doce predominava. Esta última era a alimentação preferida e difundida" pelos Povos Kaiapó, Timbira e Xavante.

 

Bibliografia

Leopoldo Feldens é graduado pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), com pós-graduação em Ecologia Humana pela UNISINOS.


Assessoria de Comunicação Social – Funai
com informações da CR Médio Purus/AM

Destaques

class=A Polícia Federal iniciou a deflagração simultânea de duas operações policiais nesta manhã (17/06/2019), no bojo da ação denominada SOS Karipuna, com o objetivo de desarticular organizações criminosas instaladas na...

class=Após seis anos de implantação do Projeto Babaçu Toroya, a Aldeia Iratana do Povo Paiter Suruí inicia a ampliação do cultivo de babaçu. O resultado é o processamento da produção e a geração de renda para os cerca de...

class=O Diário Oficial da União (DOU) desta sexta-feira (14) publicou a exoneração do general Franklimberg de Freitas do cargo de presidente da Fundação Nacional do Índio. No lugar dele, interinamente, assume Fernando Maurício...

 
 
 

acesso-informacao

banner 02

logo-ouvidoria

banner 04

banner 05