Especial Dia Internacional do Povos Indígenas - Funai apoia iniciativas de valorização e resgate linguístico-cultural

Paumari - Nova Cartografia Social da Amazonia"É importante para o país reconhecer que nossa língua é uma língua original do Brasil. Vemos a necessidade de respeito, de sensibilidade em reconhecer e entender que nossas línguas têm valor, fazem parte da nossa história, do nosso conhecimento."  Edilson Makoka Paumari

 

 

A grandeza do território brasileiro implica naturalmente na pluralidade, desde aspectos geográficos a contrastes de pensamentos e opiniões. Ao longo dos anos de formação do país, os povos indígenas têm contribuído em diversas dimensões para a construção de uma identidade nacional. A diversidade linguística é uma delas. 

 

Atualmente, mais de 270 línguas indígenas constroem parte significativa da riqueza do Brasil. Isso significa mais de 270 maneiras de definir o mundo e compartilhar saberes de um número inimaginável de realidades. Perder qualquer uma delas provocaria a desconfiguração identitária de um povo indígena e, consequentemente, de uma nação.

Ao longo dos anos, muitos povos indígenas têm visto seus jovens perderem a ligação com a língua materna, costumes e tradições. Essas perdas são tão intrínsecas que se torna impossível concluir a ordem em que acontecem. Foi ao observar essa situação na realidade de seu povo que o professor Edilson Makokoa Paumari considerou urgente a criação de um projeto que pudesse valorizar e recuperar o pamoari, a língua do povo Paumari, que habita a região do médio purus.

Influenciados pelas difíceis relações impostas com a sociedade envolvente ao longo dos anos, principalmente nos dois períodos do ciclo da borracha, os Paumari passaram a desenvolver um pidgin, uma espécie de língua de contato, entre o português e o pamoari. Ou seja, há uma mescla de alta recorrência entre os dois idiomas, às vezes numa mesma frase.

Edilson Paumari

Quando fez um curso intercultural na região da Chapada dos Guimarães-MT, Edilson observou que os outros indígenas se expressavam nas respectivas línguas maternas e aquilo lhe chamou a atenção. Ao voltar à cidade de Lábrea-AM, o professor verificou que os jovens da região urbana não se comunicavam em pamoari e muitos sequer conheciam, de fato, a língua.

Ao lado de outros professores Paumari e Apurinã, Edilson decidiu encarar uma batalha pelo resgate linguístico e cultural dos jovens indígenas da cidade, a partir do que intitulou de Programa Sou Bilíngue, uma iniciativa da Federação das Organizações e Comunidades Indígenas do Médio Purus (FOCIMP) desenvolvida em parceria com a Funai e outras instituições governamentais e não-governamentais. "Pensei em trabalhar com os jovens da cidade. Alguns saíam da aldeia em busca de educação enquanto outros já haviam nascido na área urbana. A ideia é que ensinemos as línguas indígenas a eles para que as valorizem e não se desprendam de suas raízes", relata o idealizador.

"Todo ano temos duas turmas de aproximadamente 20 pessoas para aprender as línguas. Os alunos têm entre seis e 15 anos. Estudam durante o dia na escola não-indígena da cidade, mas, à noite, aprendem conosco a escrita pamoari, artes, pintura corporal, história: tudo na nossa língua. Os alunos são interessados e muitos querem se tornar futuros professores do projeto. Atualmente temos alunos Paumari, Apurinã e Banawá na turma de pamoari querendo aprender", explica Renildo(viko) Paumari, ex-aluno e atual coordenador do Programa.


Vitória da língua

paumari8

A iniciativa não para por aí. Não basta aprender em sala de aula, é preciso vivenciar. A partir dessa ideia surgiu um inusitado desdobramento do Programa: o Campeonato de Língua Paumari realizado na aldeia do Lago Maraha, na Terra Indígena Paumari.

Uma vez ao ano, até sete aldeias se unem para uma impressionante imersão linguística e cultural. Durante três dias, crianças, jovens, mulheres, anciãos: todos participam do evento em que só se fala pamoari. Danças, comidas tradicionais, músicas, pinturas e os conhecimentos Paumari são compartilhados e simultaneamente fortalecidos por todos.

Edilson conseguiu promover o reencontro de seus alunos da cidade com a própria origem e, ainda, envolver as comunidades indígenas numa maneira lúdica de treinar o pamoari: um campeonato de criação de narrativas.

Destaques

class=Professores indígenas, crianças e anciões da Terra Indígena Kwatá Laranjal participaram da 3ª Oficina do Projeto Ya'õ Etabeg de revitalização da língua Munduruku. O principal objetivo da iniciativa é expandir o ensino...

class=Os Karajá das aldeias Fontoura e Santa Isabel do Morro deram o primeiro passo para a implantação do manejo participativo de pirarucus na Ilha do Bananal (TO). Entre os dias 1º e 7 de agosto, foram realizados cursos voltados...

class=Em apenas 20 dias como presidente da Funai, Marcelo Xavier já recebeu na sede do órgão, em Brasília, mais de 200 indígenas de várias etnias do país. Entre as principais demandas, as lideranças reivindicaram qualidade do...

 
 
 

acesso-informacao

banner 02

logo-ouvidoria

banner 04

banner 05