Feira Sementes e Saberes promove saúde e segurança alimentar no território A’uwe Xavante

feira de sementes xavante 3

 

Parte do trabalho de recuperação do território tradicional Xavante, a segunda edição da Feira Sementes e Saberes tem o objetivo de ampliar a troca de experiências entre diferentes povos e o compartilhamento de sementes nativas ao qualificar a formação indígena e promover a melhoria da qualidade de vida nas comunidades indígenas dos estados do Mato Grosso e Maranhão.

 

O evento aconteceu entre os dias 19 e 21 deste mês na base da Serra do Roncador, local considerado sagrado pelo povo A'uwe Xavante, na Terra Indígena Pimentel Barbosa, município de Canarana/MT. Esta edição da Feira contou com a participação dos povos convidados Krahô (Aldeia Pedra Branca), Xerente (Aldeia Porteira Norodzawi) e Kanela (vindos do Maranhão). Realizado pela Associação Indígena Ripá de Etnodesenvolvimento, a Feira recebeu apoio do Instituto Socioambiental (ISA), Rede Sementes do Xingu, e Funai por meio das coordenações regionais Xavante (MT) e Araguaia Tocantins (TO).

Desde de 2013, o Povo Xavante busca aprimorar a organização da comunidade e a formação profissional para ter autonomia sobre a cadeia produtiva das sementes. Coletadas no próprio território ou adquiridas nas feiras em parceria com outras etnias, as sementes são plantadas ao redor das casas e em áreas de recuperação, como nascentes e córregos que abastecem as aldeias. O incentivo ao uso de sementes nativas e à alimentação tradicional também beneficia a saúde das crianças. Diabetes e hipertensão, por exemplo, são doenças controladas na região.


Assessoria de Comunicação, com informações da Coordenação Regional Xavante

feira de sementes xavante 2 feira de sementes xavante 4 feira de sementes 5

Destaques

class=Uma estratégia inovadora de desenvolvimento sustentável nas comunidades indígenas foi classificada em uma seletiva de projetos a serem financiados pelo Fundo dos Interesses Difusos (FID), da Secretaria da Justiça e Cidadania...

class=

 

Um processo de diálogo e discussão entre os habitantes da Terra Indígena (TI) Jarawara/Jamamadi/Kanamati para a construção do Plano de Gestão Ambiental e Territorial (PGTA) Jarawara e Apurinã foi concluído no mês de outubro. Na aldeia Água Branca, município de Lábrea/AM, uma oficina apoiada e financiada pela Coordenação-Geral de Gestão Ambiental (CGGAM), Coordenação Regional Médio Purus e Coordenação Técnica Local em Lábrea arrematou os quase sete anos do processo de definição para o uso dos recursos naturais da TI.

class=Em parceria com a Secretaria de Saúde Indígena (Sesai) do Ministério da Saúde e com o Governo do Estado do Amapá, a Funai acompanhou o trabalho de levantamento topográfico de 12 pistas de pouso na região. O objetivo é...

 
 
 

acesso-informacao

banner 02

logo-ouvidoria

banner 04

banner 05