REFLEXÕES SOBRE O LIXO NA ALDEIA PARANAPUÃ

63No dia 17 de outubro esteve esta Coordenação Regional do Litoral Sudeste / Fundação Nacional do Índio na Aldeia Paranapuã, situada em São Vicente - SP, para a realização de uma oficina com o objetivo de realizar uma reflexão sobre o lixo e sob o olhar da cultura Guarani procurar gerar mecanismos de coleta, controle e redução do lixo, e aproveitamento do material reciclável. O projeto conta com o apoio do projeto GATI (Gestão Ambiental e Territorial Indígena).

 

 

O primeiro momento da oficina foi realizado na Opy, a casa de reza, foi feita uma apresentação do tema, a classificação dos tipos de materiais descartados, as consequências para a saúde e para o ambiente, as formas de redução, reutilização e reciclagem, a compostagem, dentre outros assuntos relacionados.

 

64Durante a apresentação foram levantados alguns problemas que a comunidade já enfrentou e outros que continua enfrentando. Uma das atividades que tiveram grande evolução foi a parceria com o controle de zoonoses, pois muitos animais eram abandonados pelos brancos na porta da aldeia e não havia nenhuma estrutura para o controle da população de animais e das doenças.

 

O Controle de Zoonoses, junto com o apoio da Vera, da Prefeitura de São Vicente e da comunidade indígena conseguiram realizar a castração dos animais e a doação de cães e gatos que havia em número excessivo, evitando inclusive algum desequilíbrio ambiental para o Parque, que acompanhou a ação com interesse.

 

Outra questão que se desenvolveu bastante foi a maior constância na coleta do lixo realizada pelos indígenas, como bem lembrou o cacique Alcides. A comunidade tem se envolvido bastante para a maior limpeza em seu ambiente, mesmo com os desafios apresentados pelas aceleradas mudanças dos padrões de consumo e o surgimento de problemas com resíduos até pouco tempo ausentes da vivência indígena.

 

65Na comunidade existem lixeiras instaladas, mas há uma demanda para que sejam disponibilizadas pela Sesai sacos de lixo e luvas, pois o agente indígena de saneamento tem pago do próprio bolso parte desse material para que o serviço não seja paralisado.

 

Falou-se sobre a necessidade de diminuir a produção de lixo pequeno, que parece um problema menor, mas quando junta, está sujeito a virar um problema maior.

 

66A comunidade indígena do Paranapuã recebe muitas doações, o Coordenador Regional da Funai, Cristiano Hutter, levantou esta preocupação, pois é preciso haver um filtro do que está chegando de doação, pois há muitos objetos que não têm serventia e outros que a comunidade não tem necessidade, por exemplo, chegam muitas roupas, calçados, em mau estado, e também há muito desperdício, tudo isto atualmente vira lixo.

 

A Escola Indígena está começando a trabalhar a coleta seletiva com as crianças e o gestor do Parque Xixová Japuí, Paulo Menna, tomou providências para a instalação de três pontos de coleta seletiva, um para cada núcleo populacional indígena. Os três núcleos são o núcleo do Alcides, o núcleo do Dida e o núcleo do Marcelino.

 

O caminhão de coleta da Prefeitura vai somente até a entrada do Parque, e inclusive o lixo do escritório do Parque também tem que ser transportado até a porta, por este motivo foi levantada a proposta de regularmente centralizar o lixo do escritório do Parque e dos núcleos da aldeia para que seja feito este transporte.

 

67Em relação aos descartes de material orgânico foi levantada em reunião a possibilidade do trabalho dentro da comunidade indígena com a compostagem, transformando o problema em solução, ou seja, os resíduos em adubo. Já uma possibilidade em relação ao saneamento que foi sugerida foi a instalação de banheiros secos. A comunidade indígena expressou interesse em participar de oficinas específicas para aprender sobre a compostagem e a utilização de banheiro seco.

 

Apesar das melhorias adotadas pela comunidade indígena, existe um grande problema de ordem externa, que é a poluição da praia, causada pelo grande volume de lixo despejado diretamente no mar pelos moradores e empresas da área urbana, e que atingem a praia pela ação das marés. Segundo o Sr. Paulo Menna, por este motivo, o solo da praia do Parque está, infelizmente, bastante contaminado.

 

68No desenvolvimento da reflexão sobre o lixo, muito foi falado sobre os impactos na saúde e os problemas de contaminação, e dentre todos os problemas levantados, aquele que mais se destacou foi a falta de qualidade da água que abastece os núcleos da comunidade indígena.

 

Problema também enfrentado pelo escritório da Fundação Florestal no Parque, que realizou inclusive junto ao Instituto Adolfo Lutz uma análise que detectou contaminação por Escherichia coli.

 

Entende-se que esta contaminação ocorre por conta da precária estrutura de captação, armazenamento e distribuição, e não da origem, pois a água provém de nascentes, e portanto, em sua forma original apresenta alta qualidade para consumo. No período da tarde realizamos as visitas in loco das aldeias, da praia, das trilhas e dos pontos de captação, armazenamento e distribuição da água.

 

Durante a caminhada foi observada uma quantidade muito grande de lixo na praia, vindo pelas marés. Em relação ao lixo produzido pela comunidade, foi observado o lixo de pequeno volume, espalhado pelos caminhos, que a comunidade pretende sanar, tanto com a educação ambiental na escola indígena, quanto pelo exemplo dos pais, como bem observou a psicóloga Vera, da Prefeitura.

 

69Outro lixo ainda produzido pela comunidade se acumula próximo aos locais de lavação de roupas, pois nestes locais também há um grande número de pequenos objetos.

 

Porém, o setor que realmente demanda maior urgência para solução, demonstrado também pelas visitas in loco, foi no sistema de abastecimento de água, pois detectamos diversos problemas, que começa pela falta de caixas de captação e filtros adequados, pois a água é captada em um nível muito baixo e com muito barro, areia e matéria orgânica. Já na distribuição da água os encanamentos estão velhos, danificados, remendados, há muitos pontos de vazamento, mangueiras para uso doméstico em lugar de mangueiras apropriadas para o abastecimento.

 

Nas caixas d'água é visível a presença de barro, areia, folhas, a água turva, pois as caixas d'água estão sem cobertura, tampas quebradas ou ausentes. Há demanda também pela adequação do sistema de cisterna, que atualmente é uma só, e a comunidade solicita que sejam instaladas três cisternas novas, uma para atender cada núcleo populacional da aldeia. Outra exigência da comunidade à Sesai é a entrega de kits de saneamento para o agente de saneamento indígena poder realizar seu trabalho.

 

 

Onde estamos

Coordenador Regional: Cristiano Vieira Gonçalves Hutter
Av.Condessa de Vimieiros, 700 - Centro. Itanhaém – SP - Cep: 11740-000
(13) 3426-4069/8447
O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. ; O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Litoral (2)

 
 
 

acesso-informacao

banner 02

logo-ouvidoria

banner 04

banner 05