Política Indigenista no Brasil: avanços e desafios

INTRODUÇÃO: BREVE HISTÓRICO DA RELAÇÃO ENTRE O ESTADO E OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL

 

Há cinco séculos, os Europeus portugueses chegaram à América, desembarcando em solo brasileiro, e deram início a uma paulatina reorganização das terras que eram ocupadas pelos povos indígenas. Esse processo de migração se estendeu até o início do século XX e marcou o processo de formação sociopolítica e econômica de nosso país.

 

O avanço da colonização implicou na extinção muitas sociedades indígenas que ali viviam, em razão de conflitos bélicos, da disseminação das doenças trazidas pelos europeus, e da adoção de táticas de "assimilação" dos índios à nova sociedade implantada.

 

O mapa da distribuição das populações indígenas no território brasileiro hoje identifica os reflexos do movimento histórico de expansão político-econômica. Os primeiros contatos se deram no litoral e só aos poucos houve um movimento de interiorização por parte dos europeus, motivo pelo qual o grande percentual da população indígena recenseada hoje no Brasil encontra-se na Amazônia Legal, embora, contudo, haja maior concentração da população indígena no Centro-Sul e Nordeste do país.

 

De acordo com o Censo 2010 do IBGE, a população indígena no país atualmente soma 896,9 mil indígenas. Estão distribuídos em 688 Terras Indígenas e algumas áreas urbanas do território nacional. Há também 82 referências de grupos indígenas não-contatados, das quais 32 foram confirmadas pela Fundação Nacional do Índio – Funai.

 


 
 
 

acesso-informacao

banner 02

logo-ouvidoria

banner 04

banner 05